15 vacas morrem após consumirem planta tóxica

O dono de uma propriedade localizada às margens da BR-364, no município de Ouro Preto do Oeste, no sentido Jaru teve um grande prejuízo no final do mês de julho deste ano quando 15 vacas de seu rebanho morreram após consumirem uma planta tóxica conhecida por cafezinho, que tem por nome científico palicourea marcgravii.

A médica veterinária Fernanda Marisa Bernardino, da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV), da Idaron de Ouro Preto, juntamente com sua equipe foram solicitados a pedido do sitiante a comparecer na propriedade onde ocorreram as mortes. Após realizarem os primeiros exames, diagnosticaram os óbitos dos 15 bovinos por terem consumido a planta popularmente conhecida como cafezinho.
Fernanda informou que é comum o gado consumir essa planta no período da estiagem, uma vez que nesta época não há grande disponibilidade de outros alimentos. A veterinária explicou ainda que a palicourea marcgravii, após ser ingerida e os animais se movimentarem, acelera a liberação de uma toxina que, ao entrar na corrente sanguínea, leva os amimais a óbito em questão de horas.
“O proprietário deve tomar cuidado com os pés de cafezinho encontrados nas margens de rios ou onde existir meia sombra. Já as que estão no meio do pasto, totalmente expostas ao sol ou as que estiverem totalmente embaixo de sombras não apresentam grande risco aos animais”, detalha a médica veterinária.
Os principais sintomas do efeito da toxina do cafezinho são tremores musculares, pulso venoso positivo, o animal deita-se ou cai em decúbito esterno-abdominal e depois lateral, movimentos de pedalagem, mugidos e convulsão final tônica.

Fonte: Gazeta Central

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário