CBF paga R$ 35 mil por mês ao fotógrafo de Lula

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) paga R$ 35 mil por mês ao fotógrafo Ricardo Stuckert, que foi contratado para ser o fotógrafo oficial do ex-presidente Lula logo após Dilma Rousseff tomar posse, em 2011.

No entanto, Stuckert trabalha quase exclusivamente para o Instituto Lula, localizado em São Paulo, mesmo com a CBF, localizada no Rio de Janeiro, bancando a maior parte do seu salário. Segundo uma investigação do Ministério Público Federal, a Cinefoto Stuckert Press Ltda ME, empresa que o fotógrafo é sócio, recebeu R$ 205.700 do Instituto Lula entre 2012 e 2014 – o equivalente a um salário de R$ 5.713 por mês.

Nos últimos meses, Stuckert esteve com o ex-presidente em uma viagem pelo país na campanha contra o impeachment da presidente Dilma. Já com a CBF, ele esteve em um evento oficial apenas na semana passada, em uma série de palestras organizadas pela entidade.

Contrato com a CBF

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o fotógrafo foi contratado pela CBF em janeiro de 2011 em um acordo entre Lula e a CBF, logo após o fim do mandato de Lula. O Instituto Lula nega que o ex-presidente tenha pedido à entidade autorização para contratar o fotógrafo. Em nota, o instituto respondeu ao jornal, afirmando que Stuckert “presta serviço através de empresa constituída” e que “não há exigência de exclusividade”. “O trabalho dele está presente na internet e é utilizado por muitos veículos da imprensa brasileira, inclusive a Folha de S. Paulo“.

Em 2012, Stuckert continuou no cargo na CBF. Ele esteve na delegação da seleção brasileira durante a disputa da Copa América em 2011, na Argentina e nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. Durante a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, ficou encarregado de documentar a rotina do então presidente da CBF José Maria Marin durante a competição. Mas em 2015, esteve de fora da delegação brasileira na Copa América, no Chile, e das partidas pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Apesar das ausências em eventos relacionados à CBF, o fotógrafo garante que não tem contrato de exclusividade com nenhuma das duas entidades, nem a CBF, nem o Instituto Lula. “Como é de conhecimento público, presto serviços à CBF, cumprindo as funções, conforme estabelecido pela entidade, como fotógrafo e editor de imagens de fotografia”, afirmou Stuckert em uma nota enviada ao jornal, na qual o fotógrafo também afirmou que todos os seus rendimentos são declarados no Imposto de Renda.

News Reporter
Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta