ABIN volta para as mãos dos militares e PF deve endurecer na gestão Temer

Modificações em órgãos de controle em tempos de grandes operações de combate à corrupção no país, feitas pelo presidente em exercício Michel Temer, trouxeram temores a entidades de classe e observadores do setor de segurança pública. A antiga Controladoria-Geral da União (CGU) deixou de ser parte da Presidência da República, uma suposta perda de poder na visão dos analistas da Casa. A Polícia Federal, que quer mudar o diretor, agora é chefiada por um ministro da Justiça considerado “linha dura” e que defendeu a manutenção de Leandro Daiello no cargo. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) voltou a ser dirigida por militares, um “retrocesso” na transparência, segundo os oficiais.

De sua parte, o governo rejeita os temores levantados. “Essas mudanças vão melhorar o controle”, garante o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão do ministro da Secretaria de Governo da Presidência, Geddel Vieira Lima. “Tivemos coragem de mudar. Vamos aguardar os resultados.” Para ele, não dá para agradar a todos.

A Medida Provisória 726, um dos primeiros atos de Temer, extinguiu a CGU e transformou-a no Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, desvinculado do Planalto. Para o presidente do Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacom), Rudinei Marques, o problema não é só “cosmético” com um nome associado à doutrina internacional do que significa ser uma controladoria. “A gente sai da hierarquia da Presidência”, inicia ele. “Você vai perder a autoridade para os atos dos outros ministros a corrigir e sanar irregularidades.”

Nesta segunda-feira, todas as unidades da ex-CGU fazem assembleia para debater o tema. Um encontro com o novo ministro, Fabiano Silveira, deve ocorrer entre hoje e amanhã. Para Vieira Lima, o nome pode até ser mudado, mas os temores não têm razão. “Estão totalmente equivocados. Ao contrário, eles vivem pedindo mais autonomia? E todos os órgãos são ligados à Presidência.”

Com informações do Correio Braziliense. Reportagem completa (para assinantes) AQUI

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta