STF

Advogado condenado em 2º grau não consegue direito à sala de Estado Maior

Advogado condenado em 2º grau não consegue direito à sala de Estado Maior

A 2ª turma do STF negou provimento à reclamação de um causídico que, condenado em 2º grau, insurgiu-se contra a determinação de prisão em cela comum.

Ele estava preso provisoriamente, usufruindo das prerrogativas garantidas no Estatuto da OAB. Contudo, foi condenado em 2º grau, e no julgamento de embargos o TJ/PR determinou a imediata execução da pena.

Na reclamação, o advogado alegou afronta à decisão do STF na ADIn 1.127, que entendeu constitucional a previsão de Sala de Estado Maior para os causídicos.

O relator da reclamação, ministro Toffoli, asseverou que no caso se está executando um acórdão penal condenatório, “sendo certo que a sua custódia a rigor não mais se reveste de natureza cautelar”.

De acordo com S. Exa., ainda que não transitada em julgado a condenação, a natureza jurídica da custódia é de execução da pena imposta.

E, ainda, a Corte não discutiu no paradigma (ADIn) apontado se o direito do advogado permanecer recolhido em Sala de Estado Maior se estenderia ao preso que foi condenado.

Os colegas de turma acompanharam o relator, embora tanto Lewandowski quanto Celso de Mello – que ficaram vencidos no plenário quando decidiu-se que a prisão pode ocorrer a partir de decisão de 2ª instância -, ambos tenham ressalvado o posicionamento.

O ministro Lewandowski deixou claro que acompanhava Toffoli apenas quanto ao primeiro argumento (o fato de que a reclamação não correspondia ao paradigma citado). Afirmou: “Quanto à prisão em 2º grau e a questão ora versada, tenho fundadas reservas; preciso refletir melhor se autorizada a prisão em 2º grau a presunção de inocência cessa.”

Processo relacionado: Rcl 25.111

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Next article Presidente do TST diz que excessos da Justiça do Trabalho criaram necessidade de reforma
Previous article Prefeitura de Porto Velho promove ação para intimidar chegada do Uber

Related posts

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Você pode ser o primeiro a comentar esta postagem postar comentário!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta