Advogado de Ji-Paraná acusado de tramar a morte de duas pessoas vai ficar ‘preso em casa’

João Batista Felberk de Almeida teria sido autor intelectual de trama macabra para receber R$ 209 mil. Ele foi preso na quarta-feira de manhã e a noite estava em casa

“A Polícia não tem a menor dúvida sobre a participação deste advogado, inclusive o Joaquim contou que logo após a morte do Jesus, o advogado disse para ele arrumar um usuário de drogas na cidade e depois sumir com o Alexsander e o Samuel como queima de arquivo, pois receberiam a indenização sozinhos. Não correndo o risco de serem descobertos depois”. A fala é do delegado Cristiano Matos, responsável pelas investigações do assassinato de duas pessoas, um sitiante e seu sobrinho para que um terceiro, se passando pelo sobrinho morto, recebesse uma indenização de R$ 209 mil. De acordo com a polícia, “o crime não teria acontecido sem a participação do advogado”.

João Batista foi preso na última quarta-feira pela manhã, mas à noite a Ordem dos Advogados, seccional Rondônia, divulgou nota comemorando uma decisão do juiz Valdecir Ramos de Souza que  deferiu o pedido de domiciliar mediante o monitoramento eletrônico. Felberk dormiu em casa.

Também foram presos (mas estão na cadeia) Joaquim Alves dos Reis e Alexsander Luiz dos Santos, apontados como sendo os autores dos homicídios.

(Na imagem de capa, o advogado é o de camisa azul e logo atrás está o delegado, Cristiano Matos)

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

1 pensou em "Advogado de Ji-Paraná acusado de tramar a morte de duas pessoas vai ficar ‘preso em casa’"

  1. Ao caro redador chefe, solicito publicar uma resposta da defesa aos fatos a ele imputados.

    Vimos a público, representando o Dr. João Batista e sua família, e em primeiro lugar gostaríamos de afirmar, que o Dr. João Batista declara ser inocente, refuta e repudia toda alegação de que ele tenha participado de qualquer forma para consecução dos crimes cometidos pelo Senhor Joaquim e Alexander, afirmamos ainda, que o Dr. João Batista advogou por seis meses para o acusado e renunciou a procuração por razões de foro intimo, e ainda que o cliente em primeiro lugar estava assistido pela defensoria pública, posteriormente procurou outros dois colegas desta comarca, um não aceitando o caso e a outra não o atendeu por não ter agenda para acompanhar o depoimento e ela indicou o Dr. João Batista para a família.
    E neste sentido não podemos ultrapassar nada mais sobre os fatos, pois poderá atrapalhar a defesa, e tudo mais quanto a inocência do Dr. João Batista restara provado na instrução do inquérito e na ação penal se for necessária.
    Gostaríamos de deixar claro que o Dr. João Batista acredita na Justiça, nos Juízes, no Ministério Público, nos Promotores e na Policia Civil e Militar, que todas estas instituições estão muito bem representadas em nossa cidade, inclusive tendo excelentes profissionais em seus quadros.
    Ademais, toda classe de advogados do Estado de Rondônia manifesta apoio ao Dr. João, uma vez que acredita na sua inocência, pois a acusação não condiz com sua conduta profissional e moral, sabido por todos do meio jurídico e social. A OAB/RO é sensível ao seu membro e acompanha o caso, oportunamente se manifestará.

    O Dr. João e sua família, mais do que ninguém tem interesse em provar sua inocência e através de sua defesa não medirá esforços para que isso ocorra. E sendo feita justiça, o Dr. João terá novamente seu nome livre de quaisquer dúvidas que lhe causam infortúnio, pois aqueles que lhe conhecem sabem da sua integridade.

    Ji-Paraná-RO, 31 de março de 2016.

    DÉCIO BARBOSA MACHADO
    OAB/RO 5415 – OAB/PA 17.878

    Fone: 69 93378818

Deixe uma resposta