Agora ressuscitado, Funpen foi marginalizado desde sua criação – Por Vera Lúcia Chemim

In Artigos
Meus pêsames, Dr. Hildon! - Professor Nazareno
Espalhe essa informação

O Fundo Penitenciário Nacional, desde a sua criação pela Lei Complementar 79/1994 tem sido praticamente relegado a segundo plano, para não dizer, marginalizado pelas autoridades competentes no sentido de sua real operacionalização.

Na República Federativa do Brasil, as políticas e ações governamentais têm uma característica em comum: são estrutural e conjunturalmente repressivas e quase nunca preventivas.

O exemplo mais gritante do momento é a publicação da Portaria 72, de 18 de janeiro de 2017, do Ministério de Justiça e Cidadania alterando a Portaria n 1.414, de 26 de dezembro de 2016, que regulamenta a transferência obrigatória de recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen).

Em outras palavras: tenta-se agilizar as ações por meio de transferência aos Estados e ao Distrito Federal de até 50% dos recursos do Funpen, independentemente de convênios ou algo similar, para a construção de novos presídios, ampliação dos já existentes e a sua modernização, no sentido de criar novas vagas para fazer frente à atual demanda prisional.

Já se criticou em comentário recente, acerca da negligência dos órgãos responsáveis em aplicar “efetivamente os abundantes recursos que financiam o Funpen”, conforme previsto respectivamente, nos artigos 2º e 3º, da Lei Complementar 79/1994 [1].

Aquela crítica se referia ao fato de que, independentemente da obrigatoriedade determinada pela Lei de Execução Penal (artigos 28, 29, 31, 32, 41, inciso II e 126) de os presos trabalharem para pagar pelo menos, uma parte dos seus custos materiais ao Estado pari passu com a formalização do PLS-580/2015, que pretende fazer com que os presos ricos paguem o total de suas despesas seria necessário, primeiro verificar até que ponto os recursos do Funpen eram realmente utilizados para a construção, reforma e modernização dos presídios, na compra de equipamentos modernos de segurança, na qualificação dos policiais, no ensino profissionalizante para os presos, bem como nas demais medidas previstas no artigo 3º, incisos I a XVIII da LC 79.

Paradoxalmente, como se observou naquele comentário, a fonte de recursos do Funpen (artigo 2º, incisos I a X) é relativamente grande. Vêm do pagamento de custas judiciais, fianças e multas; de dotação orçamentária da União, inclusive disposto no artigo 3º-A, com previsão de seu repasse aos Estados até 2019 e anos subsequentes com as suas respectivas porcentagens; de concursos de loterias e sorteios; de convênios com entidades em geral e outros [2].

Ainda com relação ao Funpen, a divulgação do atual Plano de Segurança Pública Nacional somente agora determinou em uma das suas medidas, “a utilização total do Funpen” para o aperfeiçoamento do sistema penitenciário, no que diz respeito a sua infraestrutura.

Quanto ao combate ao crime organizado, as medidas são igualmente “posteriores aos fatos”, ratificando o argumento desse artigo: o de que a natureza daquelas medidas é “repressiva” ao invés de “preventiva”.

Conforme se pode depreender, tudo se resume a uma questão de “colocar em prática” a legislação já existente sobre o tema: a Lei Complementar 79/1994 e a Lei de Execução Penal.

Quanto à última, é oportuno ressaltar o artigo 72 que determina as atribuições do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), entre elas a de: acompanhar a fiel aplicação das normas de execução penal em todo o Território Nacional; inspecionar e fiscalizar periodicamente os estabelecimentos e serviços penais, além de outras previstas naquele dispositivo, bem como a coordenação e supervisão dos estabelecimentos penais e de internamento federais.

Em se tratando de um órgão de execução penal, de acordo com o previsto no artigo 61 da referida lei é de se questionar da mesma forma, até que ponto ele exerce efetivamente as suas atribuições legais, tendo em vista os recentes acontecimentos.

A despeito das considerações críticas aqui expostas, a atual conjuntura política, social e econômica necessita daquelas medidas de caráter urgente, isto é, de curto prazo, mas, também sinaliza para uma união de esforços de natureza federativa principalmente, porque vivemos sob a égide de um regime republicano que demanda um planejamento estratégico, isto é, de médio e longo prazo, o qual deverá ser executado harmonicamente pelos três Poderes Públicos, como convém a um sistema presidencialista democrático.

___________________________

1 Lei que instituiu o Funpen e disciplina os seus recursos.

2 Os repasses aos Estados referem-se às porcentagens do total.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

Embriagado, PM é preso após causar dois acidentes, em Porto Velho

Espalhe essa informação O Sd PM RE 9164-8 Danilo Martins Benicio, lotado na CIA de Guarda, foi preso e

Read More...
Trinta e seis pessoas são detidas em atos contra reformas em São Paulo

Trinta e seis pessoas são detidas em atos contra reformas em São Paulo

Espalhe essa informação Na capital, foram 21 detidos em atos concentrados em duas regiões da cidade. Motivos para prisões

Read More...
PF amplia cerco à cúpula do PMDB no Senado

PF amplia cerco à cúpula do PMDB no Senado

Espalhe essa informação Foram cumpridos mandados de busca e apreensão contra suspeitos de operar recebimento de propina em contratos

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu