Alegria: a Dilma vai voltar – Professor Nazareno

A presidente Dilma Rousseff, afastada injustamente por um tenebroso golpe parlamentar urdido mais uma vez nos porões da direita reacionária,  voltará em breve a ser de fato e de direito a maior mandatária do país. Com mais de 54 milhões de votos sufragados na última eleição presidencial, “o coração valente do Brasil” derrotou nas urnas e de forma democrática os tubarões conservadores e corruptos. Com medo da Operação Lava Jato os reacionários tramaram na calada da noite e de forma infame a saída da governante eleita. Em 1964, eles usaram sem nenhum acanhamento os militares para atingir os seus maléficos objetivos. Desta vez usaram os políticos para poder passar à desinformada e alienada opinião pública a impressão de que tudo foi dentro da lei.

Mas não foi: há fortes indícios de que, mais uma vez, atropelaram a frágil democracia. Romero Jucá do PMDB, ex-ministro do atual governo golpista, senador por Roraima e um dos artífices do golpe e que está envolvido até o pescoço em maracutaias e acusações de corrupção “entregou tudo”, sem querer e sem saber, numa desastrada conversa telefônica. Afirmou em alto e bom som que havia a necessidade de “mudar o governo para estancar a sangria”. Ou seja, tirava-se do poder uma presidente democraticamente eleita e livrava a cabeça dos políticos envolvidos em corrupção, bastando para isso simplesmente acabar com a referida operação. Outro ministro do atual governo interino “falou mais do que devia” e também já caiu em desgraça. Até o ex-presidente Sarney disse que “por bem ou por mal ela tinha que sair”. Saiu por bem.

Se continuar assim, em breve não terá um único ministro para tocar os destinos do país. Dilma Rousseff foi afastada por seis meses. Se neste tempo o Senado não concluir o processo de impeachment, ela voltará a governar o Brasil e os golpistas saem imediatamente de onde nem deveriam ter chegado. Melhor: há a necessidade de pelo menos 54 votos, dois terços, para afastá-la de vez. A abertura do processo teve só 55 votos a favor de sua saída. Isso quando ainda se acreditava que não tinha sido um golpe.

Hoje, alguns senadores já admitem rever seus posicionamentos em relação ao afastamento definitivo da petista. Cristovam Buarque já deu  entrevistas mostrando o seu desconforto depois dos novos acontecimentos. José Reguffe, também senador pelo Distrito Federal pode ir pelo mesmo caminho. O nosso senador Acir Gurgacz disse que seu primeiro voto não está vinculado à decisão final. E Romário disse que “vai pensar”.

Independente de ter feito um governo ruim e catastrófico para o Brasil como tendenciosamente se afirma, Dilma foi injustiçada ao sair por meio de um golpe, pois quase todos os que votaram contra ela não o fizeram por questões de consciência, como deve ser qualquer voto. Foram decisões viciadas para agradar aos partidos políticos e, claro, aos caciques direitistas e retrógrados que dizem comandar a política nacional. É possível que muitos outros senadores revejam seu voto e a reconduzam de volta ao Planalto. Os “coxinhas” se suicidarão aos montes. O Brasil ganha, a América Latina e o mundo ganham. As mulheres terão sua capacidade e competência reconhecidas. Todas as minorias voltarão a ter valor. Os pobres não perderão seus direitos. Dilma voltando pode convocar novas eleições e “com novos mandatários nós podemos começar tudo de novo e o Brasil voltará a ser forte”. E golpe, nunca mais. Nem Militar nem Parlamentar.

* É Professor em Porto Velho.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta