Alunos de arquitetura da UFMG se negam a projetar imóvel com área para empregados

Estudantes do curso de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) se recusaram a projetar um imóvel de alto padrão com área de serviço exclusiva para empregados.

O trabalho acadêmico foi solicitado pelo professor Otávio Curtiss, responsável pela disciplina Casa Grande. A ideia era fazer um estudo preliminar baseado em uma residência de 800 m² em um terreno da cidade de Nova Lima (região metropolitana de Belo Horizonte).

O projeto deveria incluir cinco suítes, área de serviço com cozinha, lavanderia, despensa, depósito, cômodos técnicos, quartos e banheiros para oito empregados.

O Diretório Acadêmico da Escola de Arquitetura e Design da UFMG publicou uma nota de repúdio em sua página no Facebook. Para os alunos, o trabalho reforça valores racistas e escravocratas.

“Como discutido em diversas disciplinas na EAD-UFMG, o quarto de empregada, por exemplo, tem como origem a segregação escravista”, reforça um dos trechos do texto. “Dessa forma, ressaltamos nossa inflexibilidade em aceitar uma disciplina que perpetue o racismo”, acrescenta a nota.

A UFMG ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

Confira a nota publicada:

F

Fonte: emais.estadão

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta