Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Alunos de escola militar do AM chamam Bolsonaro de “salvador” em vídeo; assista

0

Em vídeo, nove fileiras de alunos do terceiro ano do Colégio Militar da PM, no Amazonas, endeusam o deputado Jair Bolsonaro e o convidam para a sua formatura. Com as mãos para trás e postura rígida, os alunos ecoam o que um dos policiais diz: “Convidamos Bolsonaro, salvação dessa nação/ Nos quatro cantos ouvirão completa nossa canção”.

No fim, uma aluna, que se dirige ao deputado, faz um convite: “Gostaríamos que o senhor pudesse nos honrar com a sua presença em nossa formatura militar”.

De acordo com matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, o vídeo foi criticado pelo presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, Glen Wilde Freitas. Ele classificou o ato como “doutrinação nazifascista de crianças e adolescentes. É igual ao que se fazia nas escolas alemãs na década de 30”.

Bolsonaro, por outro lado, afirmou que o convite é “irrecusável” e que “esse é um exemplo de ensino que deveria ser adotado em todas as escolas públicas no Brasil”. O deputado postou as imagens em suas redes sociais. Glen Freitas afirma ter ouvido relatos de expulsão do colégio militar em consequência da doutrina rígida, o que o fez com que ele solicitasse uma explicação da Secretaria de Educação e do comando da PM.

Um estudante que aparece no vídeo criticou a ação em uma rede social. Além de alegar não ter repetido o discurso, afirma que a escola é doutrinada. Ainda diz que os alunos foram obrigados a fazer o vídeo e que a instituição não permite que os estudantes definam uma posição política.

A reportagem da Folha entrou em contato com a assessoria do secretário da Educação, Tone Bentes, nesta segunda-feira (7); também pediu um comentário ao deputado estadual Platiny Soares (DEM), aliado de Bolsonaro e autor de um projeto baseado no movimento Escola Sem Partido. Em ambos os casos, as devidas respostas foram negadas. Até mesmo o comandante da PM, coronel David Brandão, foi contatado, mas também não deu resposta.

Fonte: metropoles.com

Comentários
Carregando