Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Americana conta detalhes de como virou “escrava”

0

Foram 20 anos de sofrimento nas mãos de seu ex-marido até a americana Natalie (nome fictício) criar coragem para pedir a separação e denunciar as agressões que sofria à polícia. Em desabafo emocionado ao R7, ela contou detalhes das agressões de “diversos tipos que sofreu” e as marcas que ficaram em seu corpo.

— Fui agredida de todas as maneiras possíveis, verbal e moralmente. Levei socos na cabeça, ele puxava meus cabelos, me empurrava, dava tapas e tentou me sufocar duas vezes. Acho que nestas duas vezes em que ele pegou o meu pescoço, achei que ele realmente iria ou queria me matar.

Com medo de enfrentar o marido e, por estar longe da família e dos amigos, ela revelou que se tornou completamente submissa. Segundo Natalie, quando ela não enfrentava seu ex de alguma forma, “tudo ficava bem”.

— Ele me isolava de tudo. Eu não podia dizer nada que desagradasse. Aqui não é a minha terra, sabe? Ele convenceu que eu era uma cachorra, me fazia pensar que minha vida era inútil. E me dizia: “Você tem que se matar para eu me livrar do problema”.

Auxiliada por um programa dos Estados Unidos de proteção a mulheres que sofrem violência doméstica, ela voltou ao seu país em 2008, acompanhada dos quatro filhos. Porém, em 2011, Natalie novamente voltou ao Brasil, pois queria “lutar pela sua família”.
— Pensei que ele iria mudar. Ele tinha os momentos amorosos dele. Mas novamente tudo voltou. Perdi minha identidade. Então, busquei ajuda psicológica para lidar com o que estava acontecendo e a especialista me julgou. Ela dizia: “Como você voltou para tudo isso?”. Não me ajudou em nada. Sempre que posso eu digo “não julguem porque ninguém sabe o que está em volta de tudo isso”.

Depois de descobrir uma traição e farta da maneira cruel como vivia, Natalie disse que resolveu buscar ajuda. Porém, levar o caso à polícia lhe custou a guarda de seus quatro filhos.

— Fui despejada da casa onde morava. Ele levou tudo embora, até as camas. Passei fome. Ele também prometeu tirar minhas crianças e assim fez. Há seis meses eu não vejo meus filhos.

Apesar de ter sido casada com um milionário, sem pensão, hoje ela trabalha vendendo bolos e como chefe de cozinha de um restaurante.

— Não vou embora porque quero ter meus filhos de volta. Estou lutando por isso.

Marcas no corpo e na alma

Natalie quer participar do programa lançado pela SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) nesta quarta-feira (2), em São Paulo, que promete agilizar a fila de cirurgia reparadora para mulheres vítimas de violência doméstica.

— As marcas de socos, elas aparecem na hora e depois desaparecem. Mas tenho um problema sério nas partes íntimas, mas não tenho dinheiro para fazer uma cirurgia. Não consigo me entregar a mais homem nenhum por causa disso. Além do mais, ficaram marcas fortes na minha alma.

 

Fonte: R7

Comentários
Carregando