Aplicativos de paquera podem aumentar doenças sexuais

Os aplicativos de paquera, como o Tinder, proporcionam aos usuários listas de potenciais parceiros sexuais próximos. Agora, médicos ligam a crescente popularidade deles ao aumento nos casos de doenças sexualmente transmissíveis no Reino Unido. Os dados são do jornal Daily Mail.

Especialistas da Saúde Pública da Inglaterra constataram que tais aplicativos tiveram um papel em seis surtos de sífilis em toda a Grã-Bretanha desde 2012. Eles possibilitaram “transmissão hipereficiente”, disse o médico Ian Simms. Surtos que ficariam confinados a uma área se espalharam para outras cidades, acrescentou.

Os casos de gonorreia na Inglaterra aumentaram quase 15% entre 2012 e 2013, segundo dados oficiais, indo de 25.577 para 29.291. Os de sífilis subiram 9%, de 2.981 para 3.249.
“Você não precisa ser um gênio para perceber que esses tipos de aplicativos tornam mais fácil ter sexo casual. Você pode encontrar, até um metro ou dois, a pessoa mais próxima disponível que está interessada. Isso é algo que simplesmente não estava disponível antes”, disse Peter Greenhouse, da Associação Britânica para a Saúde Sexual e HIV.

As empresas por trás desses aplicativos argumentam que não há evidências firmes que os vincule ao aumento das doenças. E os médicos lembram que a única maneira de se proteger das DSTs é praticar sexo seguro, sempre com preservativo.

Fonte: TERRA

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta