Após 10 anos, obra do teatro continua abandonada em Ariquemes

Ariquemes ficou sem teatro e também sem museu

As obras do teatro de Ariquemes, que começaram em 2006 e tinha a previsão de conclusão em 2009, no entanto, foram paralisadas diversas vezes. Em 2012, a construtora responsável, “parou a construção definitivamente”, sob alegação de falta de detalhamento no projeto. “Falta de dinheiro e erro de projeto foram os principais problemas desta obra”, justificou o governador Confúcio Moura, que assinou convênio com a prefeitura em mais de R$7 milhões e que logo seria suspenso pelo Tribunal de Costas do Estado. O órgão apontou que a prefeitura não cadastrou os dados da construção no Sistema Integrado de Gestão e Auditoria Pública (Sigap), o que impediu uma análise prévia do processo.

No ato da assinatura do convênio, o governo disse que daria condições da prefeitura executar e concluir a obra. “Eu comecei e vou terminar, com a ajuda de deputados. A obra irá tornar Ariquemes referência na cultura e fomentar a economia do município. O teatro irá gerar a profissionalização dos artistas”, enfatizou o governador Confúcio Moura.

As obras paradas do teatro são motivo de revolta para a população. O empresário Ezídio Matos instalou outdoors em avenidas da cidade, com os dizeres “Ariquemes terá um teatro ou um museu? Quando será concluído as obras do teatro municipal?”. Na ocasião, o Núcleo Executivo de Engenharia, Projetos e Fiscalização (Nucex), explicou que o projeto da obra estava sendo reavaliado para a abertura de um novo convênio, no entanto, ainda não tinha previsão para a retomada das obras.

Conforme o Nucex, já foi investido pouco mais de R$ 2 milhões nas obras; recurso oriundo do convênio assinado em 2005 com a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), mas barrado pelo TCE, o governador não teve o que fazer.

Obras estão paradas há 10 anos
Obras estão paradas há 10 anos
Obras paradas há 10 anos
Obras paradas há 10 anos
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário