Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Artigo do leitor: Ainda bem que existem pobres no Mundo!

0

Essa frase, proferida de forma isolada pode chocar muita gente porém ela tem muito sentido quando se observa a apropriação da Natureza pela humanidade.

O ser humano atravessou três importantes revoluções tecno-científicas ao longo de sua história que marcaram profundamente o nosso modo de vida e a relação do homem com a natureza.

Primeira foi no Neolítico, com a descoberta/invenção da agricultura que transformou o homem de nômade e primitivo em Sedentário e possibilitou a criação de uma estrutura social que culminou nas primeiras civilizações.

Segunda foi mais recentemente com o a revolução industrial que transformou o homem de Rural e Subsistente em Urbano e Consumista.

Terceira é bem recente e está ligada ao avanço da Globalização e da tecnologia moderna que modificou drasticamente a sociedade mas que não foi ela TODA.

Atualmente verifica-se um controle quase absoluto sobre o meio, que reforça as ideias possibilistas e nos gera muitos questionamentos. Será que a Terra comporta o nosso modo de vida altamente consumista? Será que a preservação da natureza será feita com uma mudança de toda a sociedade em conjunto ou em cada um de nós?

Nós consumimos mais de 6 vezes a quantidade de energia que nossos avós quando eles tinham a nossa idade. Usamos muito mais embalagens descartáveis que a 10 anos atrás. Na verdade não são só as embalagens que são descartáveis mas também os próprios produtos, que são feitos pra estragar rápido para logo substituir por “novos” produtos.

Muitos produtos ainda estão em pleno funcionamento quando nós os trocamos por outros pois ficam fora de moda muito rápido. Isso é tudo planejado.

O que quase ninguém percebe (Pois vivem na matrix da sociedade globalizante) é que essa alta pressão sobre o nosso planeta é INSUSTENTÁVEL. Se todos os 7 bilhões de pessoas consumisse o mesmo que um típico jovem de classe média brasileira, não teríamos matéria-prima o suficiente e nem mesmo energia.

É isso mesmo, a Terra não suportaria. Se tiver dúvida, pesquise o termo Pegada Ecológica e veja como somos insustentáveis com os nossos recursos.

A cada dia que passa as grandes corporações se espalham no mundo e o comércio é amplamente incentivado. Quem já consome, aumenta o seu nível de uso da natureza e quem ainda não consome vai entrando na festa da globalização. Estamos queimando a nossa gordura. Estamos num carro acelerado em direção ao muro e vamos BATER. A degradação da natureza é apenas um dos problemas desse processo.

Os Pobres da África Subssariana, do Sudeste asiático, da América Latina são o fiel da balança que está sendo discutida com a campanha da fraternidade. Ou se inicia um processo de conscientização rápido baseado em valores de sustentabilidade e de combate ao desperdício, que valorize o coletivo e não o individual ou então serão palavras lançadas ao vento.

A julgar pelo que estamos fazendo com as nossas crianças, acho que o caminho do despertar da preservação está cada vez mais distante.

* Paulo Alberto do Nascimento Júnior – Professor Lobão.

Professor de Geografia na cidade de Goiânia a vinte anos tendo lecionado em diversas cidades do interior de Goiás e em Brasília, tanto para ensino fundamental e médio, como para preparatório para o Vestibular, Enem e Concursos Públicos. Formado em Geografia pela Universidade Salgado de Oliveira, pós graduado em Docência Universitária pela FABEC BRASIL.

** O espaço “Opinião do Leitor” é aberto à todos. Para ter seu artigo publicado, encaminhe o texto para o e-mail [email protected] – Serão aceitos apenas textos originais, não importa se já tenha sido publicado em outros veículos.Os textos podem conter opiniões, tanto de esquerda quanto de direita, desde que baseado em argumentos sólidos. Por questões de legibilidade, recomendamos que os textos tenham no máximo 3 laudas. Não remuneramos por isso, fazemos uma pesquisa prévia sobre a autoria. Não nos responsabilizamos por eventuais plágios, mas encaminharemos a origem a quem fizer a acusação. Podem ser textos com abordagem política, jurídica, econômica, consumidor ou temas cotidianos. Não aceitamos textos que contenham ofensas a pessoas ou instituições ou acusações sem a devida comprovação documental.

Os textos são automaticamente reproduzidos em nosso perfil no Twitter e em nossa página no Facebook.

Comentários
Carregando