Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Bandidos roubam R$ 80 milhões em mercadorias na fábrica da Samsung em SP

0

Uma quadrilha com cerca de 20 bandidos rendeu funcionários da fábrica da Samsung, em Campinas, a 94 km da capital paulista, e roubou em torno de 40 mil mercadorias, avaliadas em R$ 80 milhões, na madrugada desta segunda-feira. Eles fugiram em pelo menos sete carretas da própria empresa carregando tablets, celulares e notebooks. A fábrica fica às margens da rodovia Dom Pedro I.

Imagens das câmeras de segurança da fábrica mostram a ação dos bandidos dentro da empresa. Elas serão usadas pela polícia durante a investigação. A ação começou por volta da meia noite e durou cerca de 3 horas.

Segundo a polícia, os funcionários da empresa que estavam em uma van foram rendidos em uma estrada e levados como reféns para um esconderijo. O local ainda é desconhecido. Apenas o gerente ficou com os assaltantes. Os ladrões usaram os crachás dos trabalhadores e conseguiram entrar na fábrica sem chamar a atenção.

Lá dentro, o bando se dividiu e rendeu 200 funcionários. Todos foram levados para uma sala e obrigados a tirar as baterias dos celulares. Os bandidos queriam evitar que as vítimas chamassem a polícia.

Os vigias foram desarmados e tiveram que ficar nos seus postos de trabalho.

– Retiraram os armamentos deles e as munições e deixaram eles trabalhando normalmente, nos mesmos postos como se nada tivesse acontecido – disse à EPTV, afiliada da Rede Globo na região, o tenente da Polícia Militar Vitor Chaves.

De acordo com os funcionários, os criminosos não foram violentos. Para a Polícia Civil, os ladrões tinham muitas informações sobre os procedimentos da empresa.

O caso foi encaminhado para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG). A polícia também vai solicitar imagens de câmeras da rodovia Dom Pedro I. Os reféns foram liberados após a fuga dos ladrões.

Em nota, a Samsung diz que vem “cooperando plenamente com a investigação policial em curso” e acrescentou: “faremos o nosso melhor para evitar qualquer recorrência”.

O Globo

Comentários
Carregando