fbpx
Bolívia entra em crise e protestos são registrados em todo o país

Os setores de transporte pesado, pessoas com deficiência, trabalhadores da Fábrica de Cimento Nacional em Sucre, moradores de Guayaramerín, em Beni, moradores de El Alto, em La Paz, operários e moradores de diversos municípios da Bolívia estão mobilizadas em pelo menos seis departamentos do país para exigir do Governo a solução de seus problemas.

Os motoristas de caminhões e veículos pesados bloquearam ontem, pelo segundo dia consecutivo, estradas em Chuquisaca, El Alto, Tarija, Potosí e Santa Cruz em protesto contra o novo sistema fiscal e um projeto de lei que altera o Código Tributário.

O setor fechou as estradas norte e Camiri, Santa Cruz; no bloco Tarija em El Portillo, La Pintada, Saia Queñua e a estrada para Chaco.

Em Chuquisaca os pontos de bloqueio são Santa Catalina, Ravelo Caminho; Yotala, Maneira de Potosí; La Palma, saída para Cochabamba, e em Yamparaez a estrada para Camiri. Também existem bloqueios de adicionais em Potosi, na estrada para Tarija e Oruro.

Em Santa Cruz houve também protesto dos prefeitos de municípios administrados pelo partido MAS. Eles querem que o Governo alegando a alocação de recursos correspondentes ao IDH.

Em Cochabamba, as pessoas com deficiência bloquearam a Avenida Blanco Galindo e ameaçam se auto-flagelos, caso o governo não passe a pagar um auxílio de 500 bolivianos mensais.

Em Beni, a população de Guayaramerín, fronteira com Guajará-Mirim, no Brasil, continua com greve cívica e colocaram obstáculos por vias e estradas e exigem uma solução para o racionamento de energia elétrica. O desemprego afeta todas as instituições na região.

Infográfico produzido pelo jornal El Deber
Infográfico produzido pelo jornal El Deber

O diretor nacional de Trânsito, Transportes e Segurança Rodoviária, Julio Cruz, informou que 15 pontos de bloqueio foram identificados no país por caminhões. Cruz pediu que as pessoas, especialmente para os passageiros, paciência e tolerância à greve dos transportes pesados e esta última a tomar consciência de seus atos que prejudicam a população que precisa se deslocar de um lugar para outro.

Na terça-feira eram apenas quatro pontos de bloqueios em estradas, pelos trabalhadores do sistema de transporte pesado, mas os movimentos estão aumentando e se espalhando por todo o país.

La Paz

No início da manhã de terça-feira houve um ponto de bloqueio na Avenida 6 de março, no auge da Ingavi Regiment, mas ao meio-dia o tráfego na estrada voltou ao normal. A estação de ônibus decidiu suspender partidas de passageiros para Santa Cruz, Potosi, Sucre e Tarija.

Santa Cruz

O Terminal Rodoviário de Santa Cruz Bimodal está fechado desde ontem para proteger a segurança dos passageiros. Ele não vai abrir até os bloqueios serem suspensos.

Em Santa Cruz há seis pontos de bloqueio, Pedro Lorenzo, Paila, Quilómetro 16 da pista dupla para La Guardia, Ponte da Amizade e Yapacaní e quilômetro 17 da rota para Montero.

Chuquisaca

O bloqueio é na barra de Yotala, em que as transportadoras de trânsito atravessaram seus veículos ocupando cerca de cinco quilómetros.

A polícia está espalhada em diversos pontos, garantindo a entrada de veículos com alimentos e ambulâncias.

Tarija

Os trabalhadores no sistema de Transporte Pesado de Tarija decidiram continuar bloqueando as principais rotas dentro e fora do departamento. Eles exigem um diálogo direto com o governo para suas demandas, caso contrário ameaçam radicalizar o movimento até que as medidas sejam cumpridas.

Os quatro pontos de bloqueio são o Queñua e a antiga rota através da inclinação da Sama (Santa Barbara); trechos de estrada bloqueados são La Pintada (rota Bermejo) e O postigo (trecho de Chaco).

Apesar do bloqueio, o gerente regional da Agência Nacional de Hidrocarbonetos (ANH), Joel Antonio callau, disse que a oferta de combustível está garantida, uma vez que as precauções foram tomadas.

Potosi

Desde ontem o ponto de bloqueio é no retentor San Antonio, mas os líderes ameaçam fechar outros pontos de entrada e saída, também afirmam que a medida vai manter até que recebam uma resposta favorável.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta