CAA-RO oferece Kit com repelente para advogadas gestantes

A Caixa de Assistência dos Advogados de Rondônia (CAA-RO), está disponibilizando gratuitamente para as advogadas grávidas um “Kit repelente”, para evitar as contaminações provocadas pelo mosquito Aeds Aegypti.

O material é composto por um folder informativo sobre o mosquito, três repelentes dermatologicamente testado com citronela e hipoclorito de sódio. A distribuição visa evitar a contaminação das gestantes pelo zika vírus, uma das doenças transmitidas pelo mosquito que também é responsável pela dengue e a febre chikungunya.

O presidente da CAA-RO, Rochilmer Rocha Filho, destaca que o objetivo principal é conscientizar a importância da proteção para as gestantes e também seus familiares para que comecem dentro de casa além de incentivar seus vizinhos a eliminar focos do inseto, mantendo a limpeza de possíveis locais que acumulem água, ideal para os ovos do mosquito.

O benefício é concedido para a proteção da advogada nos primeiros 90 dias de gestação, tempo no qual a atuação do vírus pode causar sequelas ao feto.

O vice-presidente da CAA-RO, Max Ferreira explica que para ter direito ao “Kit repelente”, a advogada precisa estar regularmente inscrita na Seccional da OAB/RO, ativa profissionalmente, adimplente e preencher o requerimento de solicitação, disponível no site da CAA-RO (www.caaro.org.br).

Para receber o benefício é necessária a apresentação dos seguintes documentos: cópia do cartão da gestante, exame Beta HCG ou ultrassonografia, de modo que seja possível identificar o tempo de gestação e a condição de gravidez.

Dicas de proteção:

1- Usar roupas de mangas compridas e calças que protejam pernas e braços, preferencialmente de cor clara;

2- Adotar o uso de mosquiteiros na cama;

3- Colocar telas nas janelas;

4- Aplicar repelentes na pele e nas roupas – não só a gestante, mas todos que convivem com ela.

5- Com relação ao repelente, os mais eficientes são aqueles que contêm pelo menos 25% da substância icaridina (ou picaridina). Eles duram até dez horas de proteção. No entanto, é importante ressaltar que a gestante tem de consultar seu médico para receber a indicação mais adequada ao seu caso.

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta