fbpx
Carta de mulher de 27 anos com câncer terminal comove a internet

No dia 3 de janeiro, ao descobrir um câncer em estágio termina, a australiana Holly Butcher publicou um post no Facebook que emocionou milhares de internautas. No texto, ela escreveu uma lista de lições aprendidas durante a vida. No dia seguinte, morreu aos 27 anos, ao lado da família.

“É muito estranho perceber e ter que aceitar sua mortalidade tão nova, aos 26. É uma daquelas coisas que ignoramos durante a vida. Os dias passam e você acha que eles vão continuar passando, até que o inesperado acontece. Sempre me imaginei ficando velha, com rugas e cabelos brancos, com uma família cheia de crianças”, contou, no início do post. “A vida é muito frágil, preciosa e imprevisível. Cada dia é não apenas um direito, mas um presente”, completou.

Depois de afirmar que as pessoas não devem se preocupar tanto com “as coisas pequenas e insignificantes que provocam irritação na vida’, ela listou vários ensinamentos que aprendeu na vida. São eles:

– Quando você estiver irritado com coisas ridículas, pense nas pessoas que estão realmente enfrentando problemas. Sinta gratidão por seus pequenos problemas e os supere. Depois, respire fundo e perceba o quão sortudo você é por simplesmente poder respirar.

– Ouço muitas reclamações sobre como o trabalho é terrível, como é difícil se exercitar… Seja grato pelo fato de que você é fisicamente apto a fazer isso. Trabalho e exercícios parecem atividades triviais – até o seu corpo não conseguir fazê-las.

– Aprecie seu corpo, mas se ele estiver num tamanho que não é considerado ideal. Movimente-se, coma comida saudável. Mas não fique obcecado com isso. Saúde mental é tão importante quanto saúde física. Os corpos exibidos nas redes sociais não devem ser seu ideal de beleza.

– Seja grato pelo fato de não sentir dor diariamente. Mesmo se você estiver resfriado. Isso passará.

– Ajudem uns aos outros.

– Doe, doe, doe. Você ganhará mais felicidade ajudando aos outros do que ajudando a si mesmo. Queria ter feito mais disso. Quando você estiver morrendo, dinheiro não significará nada.

– Compre algo sincero para seus amigos, em vez de apenas outro vestido, produto de beleza ou joia. Ninguém ligará se você usar a mesma roupa duas vezes. Leve-os para um restaurante ou, melhor ainda, cozinhe para eles. Dê uma planta, uma mensagem ou uma vela. Ou apenas diga que os ama.

– Valorize o tempo das outras pessoas. Não os deixem esperando.

– Use seu dinheiro em experiências de vida.

– Se esforce para fazer aquele passeio na praia que você está sempre adiando.

– Tente aproveitar cada momento, em vez de simplesmente pensar em capturá-los em fotos de celular.

– Meninas: aquele tempão que vocês gastam fazendo o cabelo ou passando maquiagem são realmente necessários? Nunca entendi isso.

– Acorde cedo para ouvir os pássaros e ver as cores bonitas que o sol produz quando ele nasce.

– Ouça música. Mas realmente ouça. Música é terapia. E as mais antigas são as melhores.

– Faça carinho no seu cachorro. Vou sentir tanta falta disso.

– Converse com seus amigos. Desligue seu celular.

– Viaje, se você gosta de viajar. Se não gostar, não viaje.

– Trabalhe para viver, não viva para trabalhar.

– Faça o que alegra seu coração.

– Coma o bolo. Sem culpa.

– Diga ‘não’ para coisas que você não quer fazer.

– Não se sinta pressionado a fazer o que as pessoas pensam ser importante para ter uma vida completa. Talvez você queira viver uma vida medíocre… e tudo bem!

– Diga às pessoas queridas que você as ama.

– Se algo faz você se sentir terrível, mude. Você tem o poder de mudar, seja no trabalho ou no amor. Tenha coragem para mudar. Não gaste o pouco tempo que você tem na Terra vivendo situações terríveis.

– Se você puder, doe sangue regularmente. Cada doação pode salvar três vidas. É um impacto enorme no mundo. Doações de sangue permitiram que eu vivesse um ano mais, e serei eternamente grata por ter passado mais esse tempo na Terra, ao lado da minha família, dos meus amigos e do meu cachorro. Esse ano foi um dos melhores da minha vida.”

Moradora de New South Wales, na Austrália, Holly morreu de Sarcoma de Ewing, uma forma rara de câncer ósseo que afeta principalmente pessoas jovens. Clique para conferir o post completo, que já foi compartilhado mais de 40.000 vezes na rede social.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta