Cem dias de nada – Por Professor Nazareno

Merda boiando a céu aberto no meio da rua durante as chuvas é uma constante

Há aproximadamente cem dias à frente da prefeitura municipal de Porto Velho, o “prefeito sem salário” Hildon Chaves do PSDB ainda não disse a que veio. A capital dos rondonienses continua o caos e o inferno que sempre foi. Praticamente nada mudou por aqui. A cidade das hidrelétricas caminha com o seu triste destino de ser a pior cidade para se viver dentre as capitais do país.

O Instituto Trata Brasil insiste em desnudar com números o Holocausto que nós habitantes somos obrigados a viver diariamente. Esgotos continuam rotineiramente a correr a céu aberto mostrando o desleixo e a inércia das autoridades para resolver o problema. Água tratada ainda é um artigo de luxo nesta cidade amazônica, onde chove quase que diariamente e que é banhada por um dos maiores rios de água ainda potável do mundo. O inferno é aqui.

Hildon Chaves, o pernambucano que se elegeu prefeito dizendo não ser político, ainda não trouxe nenhum alento para os porto-velhenses. Já há boatos entre os seus quase 150 mil eleitores de que se as eleições fossem hoje, não votariam mais no tucano. A decepção com a nova administração de Porto Velho veio mais rápida do que com o seu antecessor, o lento Mauro Nazif. Assim, a maldição sobre a podre e suja capital rondoniense continua sem tréguas. Nestes 102 anos de história, entra prefeito e sai prefeito e os problemas insistem em infernizar a vida dos moradores. O trânsito continua caótico, as ruas enlameadas e as alagações não dão sossego principalmente nas periferias imundas da capital. O verão se aproxima e com ele a sufocante fumaça das queimadas e a poeira infecta das ruas esburacadas darão brevemente o ar da graça.

Questionado sobre sua primeira ação assim que empossado, Dr. Hildon, “o prefeito sem salário”, relatou que iria avaliar a situação da prefeitura para depois iniciar as ações. “Precisamos avaliar a prefeitura para poder decidir que atitude tomar”, disse há três meses. Não fez uma coisa nem outra. E se avaliou a situação, nenhuma providência tomou para melhorar a nossa vida. Qual a diferença, por exemplo, que se percebe na cidade nestes últimos 100 dias? NENHUMA. O lixo espalhado nas calçadas é o cartão postal de sempre. Merda boiando a céu aberto no meio da rua durante as chuvas é uma constante. A rodoviária continua com seus banheiros infectos para receber os poucos visitantes que ainda se arriscam a vir para cá. As obras inacabadas espalhadas pelos quatro cantos da capital sequer foram citadas pela nova administração da cidade.

Qual a novidade, então, que o novo prefeito de Porto Velho fez até agora que qualquer administrador “meia boca” não faria melhor? Criar quase dois mil cargos comissionados e avançar na calada da noite contra direitos dos servidores municipais como a extinção dos quinquênios certamente poucos administradores de bom senso fariam. Até os semáforos que a administração anterior deixou estão em alguns cruzamentos com a contagem já danificada. O trânsito não melhorou, a escuridão piorou, a sujeira campeia, os igarapés continuam podres e pior: a autoestima dos moradores está um caos também. O prometido choque de gestão do início virou “choque digestão”. Então, Hildon Chaves, “o prefeito sem salário”, é uma fraude, um embuste, uma farsa? Ora, se nem ele mesmo acreditava que pudesse ganhar as eleições, como os tolos eleitores podem querer agora alguma benfeitoria em apenas cem dias?

*É Professor em Porto Velho.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Anterior «
Próximo »

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

  • twitter
  • googleplus

Deixe uma resposta

Direto de Brasília