Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Centenário, jornal Alto Madeira deixa de circular

Periódico que registrou a história de Porto Velho e de Rondônia será descontinuado por razões de ordem econômica, como informa sua diretoria e terá seu último exemplar em 1 de outubro

0

O Alto Madeira, um dos jornais mais antigos do Brasil, fundado em 1917, no auge da Primeira Guerra Mundial, encerrará definitivamente suas atividades no próximo dia 30 de setembro. Sua última edição, a de número 28.347, circulará em 1º de outubro próximo.

Centenário, o jornal que registrou a história de Porto Velho e de Rondônia será descontinuado por razões de ordem econômica, como informa sua diretoria.

Comandado pela família Tourinho (Luiz Malheiros Tourinho, recém-falecido, e Euro Tourinho), o jornal, hoje sob a direção da herdeira Liz Maria Tourinho, foi adquirido pelo Grupo Tourinho  dos Diários Associados, do lendário Assis Chateaubriand Bandeira de Melo, o Chatô, que montou um conglomerado de empresas que incluía centenas de veículos de comunicação Brasil afora, entre eles, o Alto Madeira.

Ao completar 100 anos em abril deste ano, o jornal e seus diretores foram alvos de uma série de homenagens, merecendo uma sessão especial na Assembleia Legislativa para lembrar sua trajetória de luta em defesa de Rondônia e de seu povo.

Vivendo problemas econômicos desde a década de 90, o jornal sobreviveu, em grande parte, graças à persistência do jornalista Euro Tourinho, cujo nome e  a história se confundem  com a trajetória do jornal.

Morte de proprietário

Em 27 de junho deste ano, um dos proprietários do jornal, advogado Luiz Malheiros Tourinho faleceu em função de complicações de saúde. Tourinho chegou a trabalhar com Chateaubriant antes de comprar o jornal Alto Madeira e O Rio Branco, no Acre.

Luiz Malheiros Tourinho era um dos proprietários do jornal Alto Madeira

Empresário, Tourinho foi proprietário da primeira revenda Fiat em Porto Velho, a Covel. Também foi um dos articuladores da criação das federações dos setores produtivos, como FECOMÉRCIO, FIERO e FAPERON durante o governo do Cel. Jorge Teixeira. A partir de então, o sistema “S” começou a se disseminar na capital e no interior, atuando na prestação de serviço social e educacional aos trabalhadores da indústria, do comercio e da agricultura. Luiz Tourinho foi, inclusive, o primeiro presidente do SEBRAE/RO.

PAINELPOLIÍTICO com informações do Tudorondonia

Comentários
Carregando