fbpx
Centro de Educação de R$ 7 milhões está abandonado em SC

Local está pronto há 2 anos, Governo de SC diz que aguarda móveis e equipamentos do MEC

Em Timbó, no Vale do Itajaí, um prédio construído para ser um centro profissionalizante, embora esteja pronto há quase dois anos, continua fechado por falta de móveis. Antes mesmo da inauguração, precisará de reforma por causa do vandalismo. A obra custou R$ 7 milhões.

O novo Centro de Educação Profissionalizante (Cedup) de Timbó deveria ser um projeto modelo, com várias salas de aula, laboratórios, quadra coberta, refeitório, auditório, em 5,5 mil m² de área construída, mas está abandonado.

Com isso, o prédio virou alvo de vândalos. A rampa de acesso ao segundo andar, por exemplo, virou pista de corrida para motos. Nos corredores, garrafas de bebida alcoólica e várias portas foram arrombadas. Em algumas salas, já não há mais sequer fiação elétrica. Os moradores estão indignados com o dinheiro público desperdiçado desta forma.

“Considerando que já está pronta, a gente tem que fazer alguma coisa, o estado ou o município”, disse o morador João Sfredo.

“Era pra estar inaugurado este prédio há dois anos. O tempo de construção era para ter sido de três anos. Então, há dois anos, este prédio está inacabado e parado”, afirmou a moradora Josete Sfredo.

Espera por equipamentos
Segundo a RBS TV, apesar de o prédio ter ficado pronto em 2015, até agora, o Ministério da Educação não enviou os móveis e equipamentos prometidos na assinatura do convênio com o governo do estado.

“O MEC alegou não ter recursos, nos momentos em que foi solicitado”, declarou a secretária executiva da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Timbó, Lúcia Gorges.

Conforme a reportagem, apenas a parte da frente da construção dispõe de cerca de proteção.

“Com esta parte que foi vandalizada, a secretaria de estado assumiu o compromisso de descentralizar o recurso para que a gente faça ou ela mesma executa a obra”, disse Lúcia.

G1/SC

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta