Cientistas britânicos encontram possível cura para Alzheimer

Cientistas britânicos acreditam que estão próximos da resposta sobre as causas – e possíveis curas para o Alzheimer. Segundo uma equipe da Universidade de Standford, a doença poderia ser evitada e até curada ao impulsionar as respostas imunológicas do cérebro, já que as células nervosas morrem porque outras células que deveriam limpar o cérebro de bactérias, vírus e corpos estranhos perigosos, param de trabalhar. As informações são do The Telegraph.

Estas células de “limpeza”, chamadas ‘microglia’ ou ‘microgliócitos’, funcionam bem quando as pessoas são jovens, mas, quando envelhecemos, uma proteína chamada EP2 faz pararem de funcionar de forma eficiente.

Agora, os cientistas demonstraram que o bloqueio da proteína permitiria que a microglia funcionasse normalmente, podendo, assim, combater as placas perigosas amilóide-beta que causam os danos nos nervos celulares como acontece no Alzheimer.

Os pesquisadores descobriram que o bloqueio da EP2 poderia ser realizado com uma droga reverteria uma perda de memória e milhares de outras características do Alzheimer. “Microglia são como batidas policiais do cérebro”, disse Katrin Andreasson, professora de neurologia e ciências neurológicas na Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford.

“Nossos experimentos mostram que mantê-las no caminho certo evitaria a perda de memória e preservaria a fisiologia do cérebro saudável”, afirma.

Até 2015, ao menos 850 mil pessoas desenvolveram tipos de demência no Reino Unido – a maioria delas, o Alzheimer. Além disso, a doença mata pelo menos 60 mil pessoas por ano.

Células microgliais constituem entre 10 e 15 por cento das células no cérebro. Elas agem como uma linha de defesa à procura de atividades e materiais suspeitos. Quando avistam problemas, liberam substâncias que “recrutam” outras microglia, que, em seguida, destroem e se livram de qualquer “invasor”.

Fonte: Terra

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta