Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Ciúme não é “tempero de relação” e na maioria dos casos leva a violência e morte; entenda os sinais de alerta

Agressões verbais, insegurança, surtos de ciúmes, controle de vestimentas e críticas a amigos são sinais que devem ser observados; leia o especial sobre relações abusivas

0

Violência contra a mulher e feminicídio estão em alta no Brasil. Todos os dias são relatados casos de mortes cada vez mais violentas e na grande maioria das vezes a desculpa é sempre a mesma, “ciúmes”, “perdi a cabeça”, “não aguentaria vê-la com outro”. Pessoas não são bens, elas tem liberdade de ir e vir. Relação tem que ser baseada em um sentimento mútuo de “querer estar com alguém”. Nunca na história da humanidade uma relação forçada deu certo.

Considerado por muitos o “tempero das relações”, o ciúme é um sentimento comum a quase todos os humanos e pode até mesmo ter desempenhado papel fundamental na evolução da espécie. Segundo teorias da psicologia evolucionista, é uma característica biológica que herdamos de nossos ancestrais, que usaram esse sentimento como um mecanismo de sobrevivência. “As mulheres das cavernas sentiam ciúme de seus machos para que eles não copulassem com outras fêmeas, o que colocaria em risco a sua própria prole.

Já os homens usavam o ciúme como uma forma de garantir que a parceira não geraria filhos de outros machos”, diz o psicólogo Thiago de Almeida, especializado em relações difíceis e autor do livro “Ciúme e Suas Consequências para os Relacionamentos Amorosos” (Editora Certa). Dos primeiros enlaces românticos até hoje, o ciúme muitas vezes apareceu atrelado a conceitos positivos, como zelo e proteção. A máxima de que “quem ama cuida” é comumente citada pelos ciumentos para justificar seus atos. “Porém, quando esse sentimento passa a ser um sofrimento muito grande, a ponto de prejudicar a vida daquele que o sente, ou a de seu parceiro, pode se tratar de um quadro de ciúme patológico”, alerta Almeida.

Sinais de alerta
SINAIS DE ALERTA – Lesões físicas para as quais não apresenta explicação plausível /// Medo claro na presença do/a parceiro ou quando o nome do/a parceiro/a é referido por outrem /// Afastamento em relação aos amigos /// Recusa ou desinteresse por atividades anteriormente apreciadas /// Pioria no rendimento escolar /// Absentismo escolar /// Fugas da escola/de casa /// Evitamento de conversas sobre o tema “namorado/a”.

Como saber se vivo um namoro abusivo?

O namoro é compreendido como um tempo em que os apaixonados se conhecem mutuamente, a fim de alcançar uma maior consciência de si e do outro antes de um compromisso definitivo. Muitas vezes, no entanto, essa paixão pode se transformar numa necessidade de controle e domínio sobre a outra pessoa. É aí que surgem os ciúmes doentios, as brigas intermináveis e, em casos extremos – mas não raros –, a violência física e psicológica.

Em termos gerais, um namoro pode ser considerado abusivo quando o indivíduo perde a sua liberdade e espontaneidade em decorrência da imposição ou intimidação de um dos pares. Por exemplo: se uma moça precisa se distanciar do seu círculo de amigos, porque o namorado simplesmente é ciumento, estamos diante de um mecanismo de controle de um pelo outro. Quando, então, o relacionamento começa a anular a liberdade de um, estamos diante da instrumentalização da pessoa.

Sinais de um namoro abusivo

O relacionamento abusivo pode apresentar diversos sinais, mas todos eles possuem um padrão comum de manipulação e necessidade de controle. O mais comum nos relacionamentos é o ciúme excessivo.

Por ciúme entendemos o temor de perder a pessoa amada para um terceiro, tendo como comportamento reativo a este medo a preocupação constante e exagerada, desconfianças infundadas, comportamentos extravagantes acompanhados de crises de raiva, tristeza, ansiedade e uma compulsividade em checar a vida do parceiro, “bisbilhotando” ou até mesmo invadindo a vida pessoal como checagem de seu perfil nas redes sociais, registro de ligações de celular, conversas no WhatsApp e, em casos extremos, seguir a pessoa para ver se “confirma” uma possível traição.

No fundo, a pessoa ciumenta apresenta um alto grau de baixa autoestima e um sentimento de insegurança emocional que, na maioria dos casos, tem sua origem na negligência de afeto dos pais na infância.

O abuso pode aparecer sobre forma de imposição de ideias ou pensamento, quando a pessoa se considera sempre certa, nunca cede, não admite erros nem pede perdão, pois isso é visto por ela como sinal de fraqueza; nunca vê as qualidades e virtudes do outro, nunca reconhece, elogia nem motiva o parceiro, há uma necessidade de ser o centro das atenções no namoro.

Há ainda o tipo manipulador-sarcástico, em que as histórias do parceiro nunca batem, são permeadas de fantasias e discrepâncias, ele está sempre com uma conversa envolvente para conseguir o que quer.

Violência

Por fim, falamos da violência no namoro, que se manifesta de forma física, verbal ou psicológica. É marcado por troca de agressões, ameaças, xingamentos, constrangimentos (muitas vezes em público) e intimidações. A dinâmica desse relacionamento é em forma de ‘montanha russa’. O parceiro tem picos de fúria, seguido de agressões verbais e físicas, mas, depois, se mostra arrependido, faz juras de amor, promete nunca mais fazer novamente; mas, infelizmente, volta a fazer.

É muito comum, no atendimento a mulheres casadas que sofrem violência, perceber que já no namoro o parceiro dava claro sinais de agressividade, mas que sempre se mostrava arrependido e prometia mudar. Diante de tais promessas e no medo de permanecer sozinha, muitas seguiram adiante no relacionamento e descobriram, no fundo, um marido perverso e manipulador.

O que leva uma pessoa a permanecer em um relacionamento abusivo?

Infelizmente, muitas pessoas não conseguem sair ou se dar conta de que estão envoltas nesse mecanismo, ainda que esteja lhe causando certo grau de sofrimento. É muito comum encontrarmos homens e mulheres que possuem um histórico de relacionamento marcados por desejo de controle ou serem controlados.

Na maioria dos casos, as pessoas que se deixam controlar por outras também estão comprometidas psicologicamente, seja porque o parceiro lembra uma figura autoritária como o pai ou a mãe, ou por simples medo de permanecer sozinha e não conseguir um companheiro para apresentar ao seu círculo social.

Muitas mulheres, por exemplo, por causa de uma pressão social de que “precisam se casar”, acabam se sujeitando a todo tipo de abuso no relacionamento para sustentar uma falsa imagem de que “mulher realizada é mulher casada”. Na maioria dos casos, essa pressão social funciona como uma armadilha que atrai homens neuróticos e controladores.

Como sair de um relacionamento abusivo?

Em primeiro lugar, é preciso perguntar: “Você se sente seguro neste relacionamento? Você se sente livre e respeitado já no namoro?”. Se a resposta for ‘não’, procure colocar em uma lista os motivos de sua insegurança neste namoro, verifique o seu grau de sofrimento e não tenha medo de terminar o relacionamento se detectar que você está preso neste mecanismo de controle.

Um forma de perceber se esse relacionamento está no caminho certo é constatar se ele o aproxima ou afasta das pessoas que você ama, como familiares e amigos. Esse é um bom termômetro. Se mesmo assim estiver difícil de terminar ou se, ao menor sinal de término, você sente medo dele(a), das possíveis consequências, procure ajuda de amigos ou familiares.

Tenha em mente que namoro e noivado não são casamento, que você está num período propício de conhecer alguém a quem se entregará para o resto da vida. O namoro saudável é aquele que o deixa livre para fazer suas escolhas e contribui para a sua autonomia e amadurecimento enquanto pessoa, justamente, porque é com essa liberdade que você dirá ‘sim’ no altar. O amor só pode ser concebido nessa dinâmica da liberdade, caso contrário, estamos mentindo para os outros e para nós mesmos.

Como dizia o psicólogo suíço Carl Gustav Jung: “Onde o amor impera, não há desejo de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro”.

Quebrando o silêncio

A escritora Leslie Morgan Steiner já teve um “amor louco”,ou seja, já foi completamente apaixonada por um homem que a agredia e ameaçava sua vida. Neste TEDx, Leslie dá o emocionante depoimento de quem já foi vítima da violência doméstica e conta o lado escuro de seu relacionamento, corrigindo más interpretações e explicando como podemos ajudar a quebrar o silêncio. (16 minutos com legendas em português)

 

Relações abusivas

Não há um momento em que um relacionamento se torna abusivo. Não há ponto de virada. O que acontece é uma gradual percepção de atitudes manipuladoras e agressivas, às quais a pessoa oprimida na relação estava subordinada. Trata-se sobretudo de um processo de violência psicológica e moral, possivelmente física, que mantém o agredido tão imerso em falsas questões que o óbvio torna-se imperceptível.

Relações entre pais e filhos e entre amigos podem se classificar como abusivas; até mesmo um homem pode ser vítima de um relacionamento do tipo. Porém, mulheres ainda são as mais afetadas, o que se agrava quando é feito um recorte racial e classista. Segundo Izabel Solyszko, assistente social doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e atualmente professora na Faculdad de Ciencias Sociales y Humanas da Universidad de Colombia em Bogotá, “os relacionamentos abusivos devem ser contextualizados: uma relação afetiva numa sociedade capitalista, racista e patriarcal tem necessariamente explicações que vão muito além da prática individual de cada sujeito”. O maior exemplo disso são as mulheres negras de periferias que, expostas às mais amplas condições de vulnerabilidade, têm seus direitos mais violados. Seus corpos são ora hipersexualizados, ora tidos como subalternos pela mídia. Assim, numa relação afetiva, tal imaginário se manifesta à medida que estas não são reconhecidas em sua condição de sujeito de direitos. Para Izabel, essas mulheres são submetidas a peculiaridades que dizem respeito à exclusão social e à falta de acesso ― a distância do trabalho, a lotação do transporte público, andar sozinha em ruas escuras, ter seu corpo visto como disponível para ser violado por policiais que invadem um bairro pobre, as inúmeras tarefas domésticas, o ínfimo salário ao fim do mês, o desrespeito no serviço de saúde, a discriminação. “É uma sequência asquerosa de uma realidade que nega sua condição de pessoa humana cotidianamente. Um relacionamento abusivo reproduz e expressa tudo isso”, diz ela.

Com um amplo recorte de gênero, os motivos que fazem das mulheres as principais vítimas de abusos em suas relações ficam evidentes. A posição subalterna à qual elas, de modo geral, são relegadas em relacionamentos abusivos está diretamente associada ao machismo do cotidiano. A Lei Maria da Penha reconhece a violência psicológica como uma violação aos direitos humanos das mulheres. Nas palavras de Izabel, “isso quer dizer que esse conjunto normativo reconhece a cotidianidade da violência a que estão submetidas milhares de mulheres e que não se resume à questão física. (…) A base dessa violência é a mesma de todas as violências: as mulheres não somos reconhecidas como sujeito, ou, no máximo, como um sujeito de segunda categoria, com menos valor”. Assim, essa concepção da existência feminina possibilitaria inúmeras práticas abusivas ― das mais visíveis às mais invisíveis.

LEIA: AS VOZES DO ABUSO

Identifique

1 – Quando a vítima é uma mulher: A mulher é direcionada seja por aspectos sociais, seja por aspectos culturais, a adotar o papel de submissão nos relacionamentos. Assim, muitas preferem evitar os confrontos, aceitam as exigências do parceiro ou parceira ou desvia o problema através de racionalizações e outras formas de negação.

2 – A opinião das outras pessoas: É comum que os (as) parceiros (as) abusivos (as) manipulem a opinião das pessoas ao seu redor e com isso, sejam capazes de criar uma imagem de que ele (ela) é perfeito (a). Deste modo, estas pessoas não vão entender, validar e dar crédito para os sentimentos e relatos da vítima.

3 – A necessidade de negação: Devido a dolorosa e dura realidade, muitas vítimas enfrentam este tipo de relacionamento através da negação. Movidas por motivos sociais, psicológicos e financeiros, as vítimas temem um possível confronto e consideram que o (a) agressor (a) explodiria como uma bomba-relógio caso o assunto fosse discutido.

4 – A esperança de que o (a) agressor (a) mude: A esperança de que algo aconteça e ele (ela) mude costuma fazer com que a vítima permaneça no relacionamento e fique numa posição vulnerável aos insultos, mudanças de humor e humilhações do (a) parceiro (a).

5 – A culpa é minha: Para muitas vítimas de relacionamentos abusivos, é mais fácil assumir a culpa pelo comportamento do (a) parceiro (a) do que encarar o parceiro como abusivo (a). Para isso, ela procura em si algo que tenha provocado o comportamento do (a) parceiro (a).

6 – Fisgadas (os) pelo amor: Por causa da intensidade de seus sentimentos amorosos, muitas mulheres toleram um relacionamento amoroso violento para experimentar bons momentos. Elas acreditam que o sofrimento emocional é um componente de qualquer relacionamento amoroso. Esta situação também pode ser encontrada em homens.

7 – O paradoxo do amor independente: Muitas mulheres acreditam que sua existência emocional está vinculada ao amor do parceiro. Seu senso de valor está atrelado à avaliação do parceiro e desconsidera todas as realizações que tenha feito na vida. Assim, para ela, a coisa mais importante é a necessidade de amor do parceiro.

8 – O medo: Este é o aspecto eminentemente encontrado quando as vítimas são mulheres. As aflições físicas e emocionais de mulheres envolvidas em relacionamentos abusivos podem fazer com que as mulheres não façam nada para evitar o parceiro e tolerem o comportamento do parceiro. Além de temer a perda do amor do parceiro, muitas temem do que ele pode fazer com elas ou mesmo as crianças. Quando mais desamparada se sente, mais opressores são seus medos.

Agora vamos identificar se você está entrando num relacionamento abusivo

O site WikiHow elencou algumas características que apontam um relacionamento complicado e abusivo e como se livrar dele:

1- Verifique se algum dos sinais de abuso ou manipulação estão presentes.

Para isso seria importante que você lesse esse artigo completo.

2- Fique atento a histórias ou rumores sobre o parceiro. Já ouviu várias versões da mesma história? Os Resultado de imagem para rumores amigos contam coisas sobre ele que você nunca tomou conhecimento ou que o parceiro sempre rejeitou? As “meias-verdades” e memórias seletivas geralmente significam que a pessoa está “modelando” a verdade para você, o que é um indicativo grave de manipulação; descubra o que é realmente mentira e o que é verdade.

3- Mantenha os amigos por perto, principalmente se o parceiro estiver tentando fazer com que você se distancie deles. O isolamento é uma tática para dominar você, e o parceiro abusivo buscará até uma maneira de fazer com que pareça que a decisão de ficar longe deles é sua. Verifique se o parceiro está sempre falando pelas costas dos amigos, fazendo piadas sobre sua família ou discutindo com você em noites em que você for sair com amigos. Se for o caso, o relacionamento é nocivo e deve ser evitado a qualquer custo.

4- Dispense comportamentos excessivos de possessividade e ciúme. É legal quando o parceiro te protege, mas exageros são sempre assustadores e incômodos. Ele fica “interrogando” e perguntando onde você estava ao se atrasar cinco minutos por chegar em casa ou ao sair sem comunicar a ele? O manipulador pergunta com muita agressividade sobre o porquê de conversar com um certo indivíduo? Ou diz que você não se importa com ele só porque saiu uma vez com os amigos?

5- Ao se ver em situações em que você não leva vantagem, distancie-se. Por exemplo: o seu parceiro pode atrasar duas horas, mas você é “atacado” ao atrasar cinco minutinhos? Ou se o manipulador flertar com outro é “só uma brincadeira”, mas ao cumprimentar alguém, você é acusado de ser infiel? O manipulador reclama se você poupa dinheiro, mas também se o gasta? Ou seja, a culpa é sempre sua, o que é algo imperdoável e que não pode acontecer. São formas que esse indivíduo usa para mexer com sua cabeça, muito comuns em relacionamentos manipulativos. Como ele sempre tem razão e você está sempre errado, saia o quanto antes de perto dele!

6- Ignore as tentativas falsas do manipulador em ser “legal”. Isso acontece depois que a pessoa faz algo imperdoável e depois quer o seu perdão. Fique atento e verifique se o comportamento inadequado dele volta a acontecer assim que ele acredita que já o “fisgou” novamente e conta com sua “complacência”.

Foto: Laila Mouallem

Agora vamos ver algumas dicas de como se livrar desse tipo de relacionamento

1- Seja honesto com você mesmo, ainda que seja doloroso. Não vai ser algo legal; afinal, relacionamentos manipulativos nunca são. Mas é necessário fazer uma “reciclagem” para saber quais são as preocupações e os sentimentos que nunca entenderá. Esse relacionamento é saudável ou não? Tente ser o mais objetivo possível, analisando como as coisas mudaram desde que conheceu a pessoa.

2- Pense em como ele faz você se sentir. A pessoa que mais deve ser valorizada em sua vida é você mesmo, não é? Não ache que seus sentimentos são exagerados, sem importância ou tendenciosos; ao não ficar à vontade no relacionamento, quer dizer que o outro indivíduo não está tratando você bem. Distancie-se dele e ponto final. Isso é ainda mais válido se ao identificar as seguintes situações:

Sentir-se assustado pela forma como parceiro vai agir ou reagir.
Sentir-se responsável pelos sentimentos do parceiro.
Arrumar desculpas para justificar o comportamento do manipulador a outras pessoas.
Acreditar que tudo é sua culpa.
Evitar qualquer coisa que possa causar conflito ou irritar o parceiro.
Sentir que o parceiro nunca está feliz com você.
Fazer sempre o que ele quer e nunca o que você deseja.
Ficar com o parceiro pois tem medo do que ele pode fazer ao terminarem o relacionamento.

3- Analise o resto dos seus relacionamentos. A relação que possui com parentes e amigos estão cada vez mais tensas sempre que o nome do manipulador é trazido à tona, ou quando você fala sobre amigos e família com o parceiro? Se todos que se importam com você demonstram preocupação quando o nome do sujeito é falado, algo está errado.

4- Ignore suas próprias desculpas, pois está sendo tendencioso devido ao amor. Apaixonar-se intensamente não é algo necessariamente ruim, mas não é saudável ter olhos apenas para essa pessoa por muito tempo, pois você poderá “fingir-se de cego” aos sinais de que algo está errado, mesmo quando amigos e familiares avisarem a mesma coisa. É importante ter momentos para refletir e saber o que é certo e o que é errado. Distancie-se do relacionamento durante alguns dias – da maneira que puder – e pergunte a si mesmo:

Está sempre se desculpando ou defendendo o comportamento do parceiro em relação a você? Em relacionamentos saudáveis, isso não deve ser algo normal, pois a outra pessoa deve ser boa o suficiente para mostrar que é óbvio o porquê de estarem juntos.

Você esconde coisas das pessoas? É necessário ter privacidade, claro, mas não “esconda o monstro” embaixo da cama. O problema não é ocultar fatos, mas sim que você está saindo com alguém que não é boa pessoa, exigindo que mantenha certos segredos.

Você faz sempre o que o parceiro quer? Com certeza você não está em um relacionamento sério para sofrer com outro “chefe” mandando também em sua vida, não é? Todos têm direito a dar uma opinião e que elas sejam respeitadas. Esqueça pessoas que não o levam em consideração.

Perdeu o contato com amigos e parentes? Independentemente da paixão que tiver pela pessoa, nunca perca o contato com grandes amigos e familiares por causa do namorado. Se for manipulador, ele tentará isolar você devido à facilidade de controlar suas ações, em especial se for do tipo que sempre falar mal de seus amigos e parentes.

5- Pare de odiar a si mesmo por amá-lo e termine o relacionamento o mais rápido possível. Reconheça que a pessoa é incrível – superficialmente – e que você não deve se punir por sentir atração por ela. É normal que os manipuladores tenham características de inteligência e charme, e é exatamente por isso que conseguem controlar outras pessoas. O melhor a se fazer é cortar as relações com esses indivíduos, pois são rasos e não merecem seu tempo. Além disso, a culpa disso é do manipulador, não do manipulado; isso só está ocorrendo é porque você é melhor que ele, o que é mais uma razão para deixá-lo a ver navios.
Referências – Istoé (o lado trágico do ciúme)// Violência Doméstica Uévora // Daniel Machado (psicólogo) Estudante espírita (como identificar um relacionamento abusivo)

Comentários
Carregando