fbpx
Coligação petista tenta proibir adesivo ‘Fora, Dilma’

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou pedido ajuizado pela candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT), que tentava tirar do ar blog que comercializa adesivos com as mensagens “Fora Dilma” e “Fora Dilma! E leve o PT junto”, ao custo de R$ 10, cada.

Em representação assinada por Dilma e sua coligação, os petistas afirmavam que os adesivos “expressam propaganda negativa, degradante e infamante em relação à candidata”. As informações estão no portal Eleição Transparente, organizado pela Associação Brasileira de Jornalismo (Abraji) com a ajuda de empresas que são alvo de censura.

Dilma também reclamava de adesivos vendidos no mesmo site, grafando seu nome com duas letras “L”, em referência à campanha presidencial de 1989 de Fernando Collor, que atualmente é aliado da coligação de Dilma à Presidência.

“Utilizando simbologia publicitária que promoveu montagem ao empregar duas letras ‘L’, com as cores verde e amarela, tenta remeter o eleitor a uma animosidade que remonta a um estado emocional de outrora, o qual associava um ex-presidente da República a malfeitos de toda sorte”, escreveram os advogados da petista.

A ação é contra o Google, que hospeda o blog, e o Facebook, que também tem um perfil anunciando o adesivo.

Ao negar o pedido de Dilma, o ministro do TSE Tarcisio Vieira de Carvalho Neto disse não considerar a venda de adesivos propaganda eleitoral, tampouco análise sobre irregularidade.

“As páginas na internet, blogs e redes sociais, citadas pelas representantes, a priori, não veiculam propaganda, apenas disponibilizam aos interessados adesivos com temas eleitorais tão comuns nesse período”, escreveu o ministro do TSE, em despacho divulgado na noite desta sexta-feira.

“Reputo ausente o requisito da fumaça do bom direito”, completou o ministro, na decisão.

A iniciativa de vender adesivos “Fora, Dilma” é semelhante à outra campanha, iniciada logo após a reeleição de Fernando Henrique Cardoso, em 1999, que ficou conhecida como “Fora, FHC”. A campanha teve a adesão de alas mais radicais do PT e movimentos sociais, como o Movimento dos Sem Terra (MST), e entidades sindicais.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta