Coluna – Caerd continua bancando farra com salários astronômicos

Empresa está sendo dilapidada impunemente; e ainda, precatórios do Sintero “na biqueira”, mas tem gente que atrapalhou e vai ganhar uma bolada, entenda

E lá vai mais um ano

Estamos chegando ao fim de 2016, um ano tumultuado tanto na esfera política quanto econômica. O brasileiro sofreu (e paga caro) pela corrupção, inoperância e fisiologismo da classe política, cada vez mais irresponsável e descompromissada com a população. O cenário para 2017 não é muito diferente, existe a possibilidade real de passarmos por um novo processo de impeachment e ainda ficarmos em situação pior junto ao mercado externo. O Brasil se tornou uma fábrica de escândalos, um país instável e sem nenhuma previsão de melhoria a curto prazo. Deplorável.

É tempo de agradecer

Mesmo com todos os percalços e correrias de 2016, eu não posso deixar de agradecer a cada um dos nossos leitores, os novos e aqueles que acompanham nosso trabalho desde o começo. E já se foram sete anos nessa pegada, passamos pela TV, pela maioria dos sites de Rondônia, somos uma revista e um site. Aliás, agora em 2016 PAINEL POLÍTICO foi um dos que mais cresceu em termos de novos leitores. Não tenho dados dos demais, mas entre janeiro e dezembro deste ano, tivemos um aumento de 64,3% no número de leitores, o que representa 716.929 mil pessoas que nos visitam. Pode não parecer muito em relação a outros, mas nós, cuja linha editorial é pautada basicamente por política, economia e judiciário, é muita coisa. E tem gente que diz que brasileiro não gosta de política.

Claro

Que não conseguiríamos isso sem o seu apoio, caro leitor. Você que acompanha nosso trabalho. Também não seria possível sem os nossos apoiadores, clientes e amigos que fazem parte de nossa carteira nas áreas de consultoria e assessoria. Vamos entrar em um breve recesso de fim de ano com a coluna, mas voltamos em 2017, espero, que com boas notícias. Quero desejar antecipadamente um feliz natal a todos vocês e um ano novo renovado de esperanças, projetos e expectativas que se realizem. Obrigado mesmo, de coração, por você acompanhar o nosso trabalho.

Mas

Fiquem ligados na nossa editoria “notas“, que mesmo durante o recesso estaremos publicando algumas pílulas de informações.

Tá na biqueira

Os servidores da Educação de Rondônia que aguardam o pagamento dos precatórios da isonomia, ou “precatórios do Sintero”, não devem demorar muito mais para receber o dinheiro. Os R$ 101 milhões já estão na conta e só precisa o juiz do Trabalho José Roberto dar início a quitação, tendo em vista que foi aceito o recurso proposto pelo advogado Luiz Felipe Belmonte, anulando a necessidade de fazer um novo recadastramento, vez que o processo está saneado.

Sumiu

Já o advogado Hélio Vieira, que entrou no processo “pela janela” em uma manobra que a gente vai explicar quando a coluna retornar (o assunto é extenso), sumiu do processo. Não peticionou mais na ação e faz de conta que o assunto não é com ele. O problema é que Vieira está esperando para botar as mãos no percentual de 6% como honorários, o que para quem não fez nada (e atrapalhou bastante) é muita grana. Os professores receberam primeiro porque Hélio atravessou, reduziu os valores pagos a eles e foram prejudicados com essa manobra. Se tem alguém que não deveria estar mais nesse processo é o advogado Hélio Vieira. Voltaremos ao assunto.

E a Caerd?

Denuncias se amontoam contra a companhia de águas e esgotos de Rondônia, mas nada acontece. Enquanto isso, a presidente segue com seu desmonte e endividamento criminoso da empresa, na tentativa de privatizar o mais rápido (e barato) possível. Nada contra a privatização, mas não se pode permitir a dilapidação do patrimônio público de forma irresponsável. Passou da hora de olhar a farra de salários astronômicos que são pagos a meia dúzia de apadrinhados. Será que o Tribunal de Contas já está em recesso natalino?

Novo tratamento contra câncer de próstata elimina tumores sem causar os tradicionais efeitos colaterais

Médicos europeus anunciaram um novo tratamento de câncer de próstata baseado em lasers e um droga feita de bactérias marinhas. A técnica é capaz de eliminar os tumores sem causar os efeitos colaterais dos métodos tradicionais. Segundo reportagem publicada pelo site da BBC, as terapias atuais, envolvendo cirurgia e radioterapia, são frequentemente responsabilizadas por efeitos como impotência e diferentes graus de incontinência urinária. De acordo com a matéria, quase 90% dos pacientes desenvolvem disfunção erétil e um em cada cinco sofrem para controlar a urina. Desenvolvida pelo Instituto Weizmann de Ciências, em Israel, juntamente com a empresa Steba Biotech, a técnica vem sendo considerada revolucionária por médicos. Um artigo publicado pela revista médica “The Lancet Oncology” afirma que testes em 413 homens mostraram que quase metade deles não apresentou vestígios da doença após o tratamento. As novidades no tratamento podem aumentar a conscientização dos homens em relação à doença. É que muitos não procuram tratamento nos estágios iniciais justamente por medo dos efeitos colaterais, mudando de atitude somente quando o câncer fica mais agressivo. Os testes com o novo tratamento foram realizados em 47 hospitais europeus e 49% dos pacientes se recuperaram completamente. Apenas 6% dos pacientes precisaram ter a próstata removida, em comparação com 30% dos pacientes submetidos à terapia tradicional. Já o impacto na potência sexual e no ato de urinar durou apenas três meses. Nenhum dos pacientes teve efeitos colaterais significativos após dois anos.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Por favor, dê um like em nossa página no Facebook
Placeholder
Anterior «
Próximo »

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

  • twitter
  • googleplus

Deixe uma resposta

Direto de Brasília

Associado da Liga de Defesa da Internet