Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Coluna – Confúcio pode ser cassado, de novo, semana que vem

0

Ação do Ministério Público já está nas mãos do corregedor que tem três dias para apresentar relatório conclusivo

Não é bem assim

Quando começou a fazer parte do cotidiano dos civis, a internet era um mundo maravilhosamente democrático. Havia a sensação da liberdade, do compartilhar informações sem filtros estabelecidos pelos meios de comunicação tradicionais. Porém, como diziam os mais antigos, alegria de pobre dura pouco. E durou. Com a quantidade absurda de páginas, e avanços a passos largos na área de programação, lógico que os gigantes surgiram para dominar e determinar o que pode ou não ser lido por você, caro leitor que acredita que “todas as informações estão disponíveis, basta saber procurar”.

Não é verdade

Com o advento das redes sociais, você lê exatamente o que os gigantes querem que você leia, e mais, as informações são omitidas, para isso, basta pagar. E não é caro. Você só precisa encontrar os profissionais certos e lógico, ter disponibilidade de caixa. E como atualmente a internet se divide praticamente entre Google e Facebook, grande parte dos brasileiros se vêem refém de suas timelines e buscas superficiais de primeira página do Google. Isso mesmo, de acordo com levantamento feito pela ferramenta Brand Yourself, 94% das pessoas olham apenas o resultado da primeira página do Google.

E essa ferramenta

Pode melhorar sua posição na primeira página, para isso, basta pagar. Muita gente reclama, por exemplo, de ter milhares de “amigos” no Facebook e não ter “curtidas” em suas postagens. Isso porque o Facebook trabalha com um algorítimo chamado EdgeRank que limita as visualizações. O que você posta é visto em média por 16% dos seus “amigos”. O “edge” trabalha com um sistema de compensação e afinidades, portanto, sua exibição estará sempre nas páginas de pessoas que frequentemente interagem com você. Ou seja, se você não é daqueles que fica fuçando o face alheio, você sempre estará restrito a seus amigos. E não basta olhar, tem que haver reciprocidade.

Daí

Que os políticos, claro, viram nisso uma grande oportunidade. O EdgeRank libera, por exemplo, sua postagem, se você pagar para “impulsionar” determinada postagem. Ai todo mundo vê. O Facebook não é gratuito, está longe de ser. Voltando aos nossos políticos, que a grande maioria ignora postagens e quando comenta é para ofender, eles passaram a contratar empresas especializadas em contornar essas situações. Batalhões de robôs se digladiam pelos códigos fonte da rede, tentando “limpar” os ficha-sujas.

Quer um exemplo?

Pesquise agora, no Google pelo nome de Lúcio Mosquini, o deputado federal de Rondônia que foi preso em dezembro passado na Operação Ludus. Irão aparecer, na primeira página do Google, duas referências negativas apenas. Se for no Bing, o sistema de buscas da Microsoft, não aparece nenhuma.

Aqui em Rondônia

Não é nenhuma novidade que os sites de notícias são as principais fontes de referência quando o assunto é informação. Há tempos que se discute o papel desses noticiosos principalmente quando o assunto é bolo de publicidade. Porém, ao contrário das rádios e TVs, os sites podem ser burlados, e estão sendo, através de anúncios no Google Adsense e isso vem sendo feito pelo governo e pelo Detran. Funciona assim, o Google trabalha por regiões geográficas, através de sua localização. Por diversas vezes você deve ter percebido a notificação que diz “o Google gostaria de usar sua localização para aprimorar suas buscas” e você permite. Pois é.

A partir disso

Os anúncios pagos por anunciantes locais irão aparecer nos anúncios patrocinados do Google e o governo da enganação e o Detran usam isso agora. Os sites locais bloquearam os anúncios, mas de repente você está no site da Folha de São Paulo e lá está o anúncio do governo de Rondônia. Ou seja, a verba publicitária que deveria circular aqui, porque os sites de notícias em sua maioria são empresas, que pagam impostos aqui, e contratam aqui, e recebem uma miséria de publicidade, estão sendo enganados por essa manobra matreira, mineirice de quem se faz de gato morto.

Problema maior

É que, através de robôs, estão adulterando também o Adsense dos sites locais. E isso ocorre através de sistemas como click farms, que são normalmente um grande grupo de pessoas que são pagas para visualizar e clicar em anúncios. Com isso, as receitas dos sites caem, porque o Google as interpreta como tentativas de fraude por parte do próprio site e passa a deixar de contabilizar cliques válidos. Os anúncios Google que você vê nos sites locais, são o que ajudam a pagar as contas no fim do mês. Ao clicar nesses anúncios em sites de Rondônia, você gera receita para Rondônia. Quando você clica em um anúncio do Detran no site da Folha de São Paulo, o dinheiro vai para lá. Claro que você, leitor, nada tem a ver com isso, afinal, trata-se de questões publicitárias. Mas não se engane, isso também afeta você, afinal o que seria de Rondônia não fosse pelo trabalho realizado pelos sites de notícias?

Não contabilizou

Falando em números, o dinheiro repassado por Lúcio Mosquini aos deputados Eurípedes Lebrão e Edson Martins durante a campanha eleitoral não aparece nas prestações de contas de nenhum dos três. Foram R$ 334 mil divididos entre Lebrão e Martins.

Na biqueira

Na próxima semana o Tribunal Regional Eleitoral deverá julgar os embargos propostos por Confúcio Moura, que teve o diploma cassado no último dia 5. Deveria ter sido julgado esta semana, mas o Ministério Público Eleitoral ainda não enviou seu parecer, o que acontecerá provavelmente nesta terça-feira, 31. Como quinta-feira será feriado, deverá ser julgado apenas na próxima semana.

Porém

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral 1787-58, proposta pelo Ministério Público Eleitoral, que apura a utilização de unidade móvel de saúde do Hospital do Câncer de Barretos, a utilização de cargos comissionados para arrecadação de fundos de campanha e a distribuição de almoço, com direito a refrigerantes e picolés para mais de 1 mil pessoas durante convenção partidária foi recebida nesta segunda-feira pela assessoria do Corregedor Eleitoral desembargador Roosevelt Queiroz. Nesta ação, a defesa de Confúcio Moura perdeu o prazo para alegações finais. De acordo com o artigo 22 da Lei de Inelegibilidades, após o prazo para alegações finais, os autos serão conclusos ao Corregedor (relator) para apresentação de relatório conclusivo, que será apresentado em até três dias, sendo encaminhado ao Tribunal no dia imediato, com pedido de inclusão imediata do feito em pauta para julgamento na sessão subsequente.

Traduzindo

Se os prazos forem de fato cumpridos pelo Corregedor (que até onde se sabe sempre os cumpriu), a Ação proposta pela Procuradoria Regional Eleitoral também deverá entrar na pauta do Tribunal Regional Eleitoral na próxima semana.

Para contatos

Fale conosco pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no www.painelpolitico.com e www.facebook.com/painel.politico e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondencia para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Whatsapp 9248-8911.

Quarentões ativos têm risco de câncer reduzido até pela metade, diz estudo

Homens “quarentões” em boa forma física têm menos chances de desenvolver cânceres de pulmão e colorretal. É o que sugere um estudo publicado pela revista médica especializada JAMA Oncology. Os pesquisadores da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, também sugerem que a combinação de boa alimentação e bom nível de atividade física aumenta as chances de sobrevivência para homens em boa forma no caso de eles diagnosticados com a doença. E alertam ainda que mesmo pequenas melhorias na rotina de exercícios já podem diminuir os riscos de câncer. Ainda que exercício e alimentação balanceada sejam medidas já conhecidas para reduzir as possibilidades de se ficar doente, a autora do estudo da Universidade de Vermont, Susan Lakoski, acredita ser benéfico dizer as pessoas o quanto elas precisam melhorar sua forma física para reduzir o risco de câncer a níveis aceitáveis. Isso viria sob a forma de planos personalizados de exercícios, que mediriam, por exemplo, sua capacidade cardiorrespiratória. Um porta-voz da ONG britânica Cancer Research, Tom Stansfeld, diz que a pesquisa mostra uma nova via de estudo das relações entre forma física e o risco de câncer.

 

Comentários
Carregando