Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Coluna – Ji-Paraná está bombando, e Porto Velho explodindo

0

Similaridades

Eles são do mesmo partido, ambos nunca haviam ocupado cargos executivos anteriormente e foram considerados bons legisladores. Falo e Mauro Nazif e Jesualdo Pires, prefeitos de Porto Velho e Ji-Paraná, respectivamente. Para quem não sabe ou não lembra, Mauro Nazif foi deputado estadual e muito ativo. Fazia oposição aos governantes da época, não se meteu em lambanças e se consolidou como defensor dos servidores públicos, chegando a levar umas cacetadas da polícia na época da demissão em massa, feita pelo então governador José Bianco. Jesualdo foi deputado estadual e direcionou seu mandato para Ji-Paraná, sua base eleitoral.

Diferenças

Porém, Jesualdo tinha vontade de ser prefeito e tinha um plano, o de fazer a diferença. Nazif queria ser prefeito, tentou por diversas vezes, mas não tinha a menor idéia de onde estava se metendo. E não tinha nem plano, nem equipe. A partir desse ponto, ampliam-se as diferenças. O plano de Jesualdo está funcionando. Ji-Paraná vale a pena ser visitada. A cidade está limpa, organizada, iluminada e bem diferente daquele município acidentado, esburacado e sujo. Já Porto Velho…

Problemas

A capital de Rondônia parece não ter jeito. Para se ter uma idéia, em Ji-Paraná construíram uma ponte, um anel viário e um viaduto. Todas essas obras começaram praticamente ao mesmo tempo em que a capital iniciava a construção de três viadutos. Em Ji-Paraná as obras já foram concluídas, em Porto Velho, não temos nem previsão. A duplicação da BR 364, entre Candeias e a Unir virou uma palhaçada do DNIT. Até hoje a iluminação não funciona, e não se sabe porque. Inventaram um papo furado de que “roubaram a fiação” e bastou isso para que o trecho, de pouco mais de 30 quilômetros continuasse às escuras. Entre Porto Velho e a Unir funciona parcialmente, entre Candeias e Porto Velho, tudo apagado.

Evidente

 

Que esse problema não foi ocasionado por Mauro Nazif, mas ele herdou e prometeu, durante a campanha, que resolveria, “eram problemas simples”. Não são. Envolvem empresas que já receberam e deram no pé e comparando grosseiramente, comeram o filé da obra e deixaram o pescoço, e essa sopa, ninguém quer fazer. Outro problema crônico de Porto Velho é a falta de carinho, da própria população com a cidade. As pessoas jogam lixo na rua, proprietários de terrenos baldios e prédios velhos não limpam, sequer cuidam de seus imóveis e a prefeitura não age com pulso firme. Nazif poderia aproveitar que está com a popularidade em baixa e “canetar” esses proprietários. O prefeito também vai dispender, grande parte de recursos e tempo administrando o pós-enchente, que criou uma série de problemas tanto na zona urbana e principalmente nos distritos do baixo Madeira. Essa situação atrasou qualquer planejamento previamente feito.

Já os críticos

Irão dizer que “Ji-Paraná só está bonita na BR, se entrar na cidade, principalmente na periferia, a coisa está feia”. A esses digo o seguinte, pelo menos a entrada da cidade está bonita, a nossa sofrida Porto Velho, nem isso. Nazif está em quieto, e em conversas reservadas afirma que as mudanças vão começar em breve. Estamos aguardando ansiosamente. Porto Velho precisa, e merece.

Eleições 2014

O deputado estadual Luizinho Goebel perdeu o PV esta semana e o partido vai coligar com o grupo do PSDB. A manobra foi articulada em Brasília pelo ex-senador Expedito Júnior e isso complica, e muito, a vida de Goebel. Os argumentos utilizados para tirar o partido de Luizinho foram que ele não preparou nominata para deputado federal, preocupando-se apenas com a nominata para estadual, e o outro foi que o PV proíbe coligação com o senador Ivo Cassol, que segundo a executiva do PV, “é ligado ao setor extrativista”.

Com isso

Luizinho fica em uma situação difícil, dependendo da nominata a ser montada pelo PSDB com os partidos aliados. Quem perde também é o senador Ivo Cassol, que contava com o PV para “engordar” a nominata para estadual.

Esse tipo de rasteira

É comum, principalmente em épocas de eleição. A maioria dos partidos recém-criados e até mesmo os antigos, estão com executivas provisórias nos municípios, e aí o que manda é o grau de influência e principalmente, conseguir atender os interesses da nacional.

No TSE

 

Um recurso interposto pela banca de advogados Machado, Nogueira e Vasconcelos,  em favor do então candidato a prefeito de Guajará-Mirim, Rodrigo Melo definiu a posição do Tribunal Superior Eleitoral, com a nova composição em relação ao tema “prestação de contas”. Os vícios, apresentados na prestação de contas do candidato, foram considerados insanáveis pelo Tribunal Regional Eleitoral, a despeito dos votos vencidos dos juízes Juacy Loura e Herculano Nacif. O Ministro Henrique Neves, relator do recurso, elogiou e mencionou ambos os votos como dissidentes. O relator também apontou os vícios como irrelevantes. A setença foi proferida no último dia 22.

Em Montenegro

Os vereadores deram início ao processo de afastamento do prefeito Jair Miotto Júnior, alegando que ele teria “reduzido  valor das diárias dos servidores”. De fato o prefeito fez isso. Miotto alterou a lei determinando que os servidores que viajam para municípios vizinhos e retornam no mesmo dia, recebem apenas 30% do valor da diária. A economia ao município foi significativa, mas essa palavra, parece, não faz parte do dicionário dos vereadores da cidade. O prefeito é defendido pelo advogado Nelson Canedo.

Acampados

O Tribunal Regional Eleitoral deve permanecer no prédio do CPA, do governo do Estado, provisóriamente. Vai ser feita uma perícia no atual prédio, que sofreu diversos danos em função da enchente. Três possibilidades estão sendo estudadas, a reforma do atual prédio, que corre o risco de alagar novamente, a construção de uma sede em novo local ou a compra de um imóvel pronto, que atenda a justiça. Essa última é a que deve ser adotada. Cá entre nós, não sei quem foi o corretor que vendeu aquele pedaço de pântano para a justiça eleitoral e justiça federal, mas ele merece um prêmio. Até os bagres do Madeira sabem (e bem) que aquela é uma área alagadiça e era uma questão de tempo ir por água abaixo.

Quem também

Precisa rever suas acomodações é a Receita Federal, que também sofreu com a enchente do Madeira. Interessante que o rio baixou e como isso veio o silêncio. Ninguém lembra mais das usinas, de apurar responsabilidades…deve ser porque o dinheiro do prejuízo sai do bolso da população. Os comerciantes, esses sim, estão doidos para saber quem vai arcar com os prejuízos, ou será que todo mundo vai cair na lorota da “chuva nos andes bolivianos”?

Fale conosco

Pelos telefones (69) 3225-9979 ou 9363-1909. Também estamos no Facebook.com/painel.político e no Twitter (@painelpolitico). Caso prefira, envie correspondência para Rua da Platina, 4326, Conjunto Marechal Rondon. Para fazer parte de nossos grupos no whatsapp envie um whats para 9248-8911 com a seguinte informação: nome+sobrenome+NOTÍCIAS (apenas para receber informações); Caso queira participar de debates e interagir com os demais membros envie nome+sobrenome+DEBATES; Não incluímos ninguém por indicação, a própria pessoa deve enviar o pedido. Notícias são enviadas até às 22 horas, a partir desse horário só se for algo de grande relevância. Também estamos com grupos no aplicativo Telegram. Para mais informações acesse http://painelpolitico.com/grupos-de-noticias

Risco de demência em pessoas cínicas é três vezes maior

Pessoas com personalidade marcada por alto grau desconfiança cínica podem ser mais propensas a desenvolver demência, aponta um novo estudo publicado nesta quarta-feira na edição online da revista Neurology – o jornal médico da Academia Americana de Neurologia. Desconfiança cínica – característica definida como a crença de que as pessoas são motivadas principalmente por interesses egoístas -, também tem sido associada a outros problemas de saúde, tais como doenças do coração. Este é o primeiro estudo a examinar a relação entre o cinismo e a demência. Após os pesquisadores ponderarem fatores que podem aumentar o risco de demência, como pressão arterial alta, colesterol elevado e tabagismo, as pessoas com grandes níveis de desconfiança cínica se mostraram três vezes mais propensas a desenvolver demência do que aqueles com com baixos nível. Das 164 pessoas com níveis elevados de cinismo, 14 pessoas desenvolveram demência, em comparação com nove das 212 pessoas com baixos níveis.

Comentários
Carregando