Coluna – Levamento mostra que faltam mais de R$ 70 milhões para conclusão de viadutos

E ainda, obras de saneamento de Porto Velho que nunca aconteceram, poderiam ter aquecido economia regional

Fantasma

O desemprego vem aumentando a cada dia em Porto Velho e não temos uma luz nesse horizonte cinza. Pelo contrário. O governo do Estado está parado, a economia estagnada. As construtoras locais, que poderiam fazer a economia girar, estão praticamente todas quebradas, graças a falta de planejamento local e claro, com um baita empurrão do governo federal. A crise vinha sendo anunciada desde 2014, mas ninguém por aqui tomou providências. E poderia, sabe como? Licitando corretamente as obras de saneamento de Porto Velho.

Lembram?

Pois é. Em dezembro de 2013 publicamos um alerta sobre a possibilidade de perdermos esse recurso. No início de 2015 chamamos a atenção para a licitação que o governo estava fazendo, que ao invés de dividir em lotes o pacote de obras (orçado em cerca de R$ 700 milhões), preferiu entregar tudo para uma empresa apenas. Com o “vai-pra-lá-vem-pra-cá” do governo, a coisa não chegou a lugar algum. Como resultado as obras, claro, não saíram, e o dinheiro que estava em caixa, na Caixa, voou.

Mas, faria diferença?

Sim, certamente. Se a licitação tivesse sido feita em lotes, pelo menos em 10, as construtoras locais poderiam participar, e pelo menos a metade já teria feito feito alguma coisa, e talvez não tivesse ocorrido o que aconteceu na última segunda-feira no SINE, quando centenas de trabalhadores do setor de construção civil, se amontoaram e quase criaram um grave incidente na busca por uma colocação no mercado.

Porém

Por aqui está tudo parado. As obras do ginásio de esportes Cláudio Coutinho se arrastam, as dos viadutos nem cabe mais comentários. De acordo com um levantamento do Ministério Público Federal, já foram gastos mais de R$ 55 milhões e ainda faltam pelo menos mais R$ 70 milhões para a conclusão. Ou seja, vamos ter que aturar por muito tempo ainda esses esqueletos na entrada e saída da cidade.

Sabe o que mais?

O distrito industrial de Porto Velho, que deveria estar em pleno funcionamento, virou um matagal abandonado. A única indústria em operação no local já demitiu quase todo seu pessoal e opera com cerca de 20% da capacidade. O acesso é complicado, já que não tem mais linhas de ônibus. Fizeram tanta fuzarca com aqueles terrenos, que virou um enorme deserto.

Sinceramente

O que falta para Confúcio Moura, de uma canetada só, exonerar grande parte de seu secretariado a começar pelo Chefe da Casa Civil Emerson Castro, que só tem papo-furado e frases ‘mi-mi-mi’ na internet? Cadê o DER, o DEOSP, a SEDAM que não conseguem funcionar? E a secretaria de Desenvolvimento? Governador, tem coisa errada nessa gestão e não é pouca. Depois não vale dizer que não foi avisado…

Só aumenta

A população carcerária de Rondônia em 2014 era de 17.987 presos, sendo que 1.272 eram mulheres. Os números foram apresentados nesta terça-feira pelo Ministério da Justiça no relatório do Infopen, que mostrou ainda o perfil socioeconômico dos detentos, cuja maioria, 55% têm entre 18 e 29 anos, 61,6% são negros e 75,08% têm até o ensino fundamental completo. O relatório também aponta que em 2000 a população carcerária era de 232.755 e saltou em 14 anos para 622.202 mil. O mesmo documento mostra que dados do Ministério da Saúde indicaram que pessoas privadas de liberdade têm, em média, chance 28 vezes maior do que a população em geral de contrair tuberculose.  A taxa de prevalência de HIV/Aids entre a população prisional era de 1,3% em 2014, enquanto entre a população em geral era de 0,4%.

Esse número de presos

É maior que a população de Porto Velho e a quantidade de encarcerados no Estado, supera a densidade demográfica de grande parte das cidades rondonienses. A pergunta que fica é: Porque essa turma, uma mão de obra imensa, continua parada, estagnada em presídios incapaz de produzir a própria comida? É justo a sociedade continuar pagando para ser roubada e alimentando e vestindo seus algozes? Que sistema doido é esse?

Clínica Mais Saúde informa – Saliva revela sinais de depressão

Pesquisadores ingleses analisaram* a saliva de 660 adolescentes e os submeteram a testes psicológicos durante um ano. Quem tinha mais sinais de depressão apresentava níveis mais altos do hormônio cortisol. A ideia é criar um teste que possa ser aplicado em todas as escolas.

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta