Coluna – Pimentel é o candidato do PMDB à prefeitura da Capital

Também devem ser candidatos os secretários da Sejucel, Emater e Idaron. Veja ainda, a gritaria pela cultura no Brasil

Barulheira

Os “agitadores culturais” estão, de fato, agitados com a incorporação do Ministério da Cultura para o Ministério da Educação. A gritaria foi geral, até em Cannes, que causou uma repercussão nos jornais europeus. Os artistas afirmam que o Brasil sofreu um golpe, que a cultura vai retroceder 30 anos, que os projetos culturais serão extintos, enfim, todo mundo que acompanha o noticiário já conhece de cor e salteado o blá-bláblá da esquerda caviar brasileira.

Mimimi

O grande problema da cultura no Brasil é que ela só atende meia dúzia de globais e alguns projetos apadrinhados por políticos. O povão desconhece completamente sobre o que os artistas falam, e aí chovem críticas. O Brasil precisa investir em educação de base. Cultura não é uma coisa que é empurrada goela abaixo por peças teatrais ou projetos esporádicos, é preciso fomentar do berço. Países desenvolvidos como a França, que investe maciçamente em cultura, trabalha música, teatro, literatura, artes plásticas, dança, ainda no ensino fundamental. Com isso, se forma uma consciência cultural que cresce junto com a pessoa. No Brasil é o contrário. E a chamada “classe artística” não entende isso, ou se recusa.

Lei Rouanet

Muito tem se falado sobre a Lei Rouanet nos últimos tempos e ela é vendida como se o governo desse dinheiro para peças, livros e shows. Essa é uma ideia distorcida. Na verdade a Rouanet permite que pessoas físicas repassem até 6% do imposto devido a projetos culturais e pessoas jurídicas, 4%. O governo simplesmente abre mão de receber esses percentuais. O incentivo não altera o valor a pagar ou a restituir do seu Imposto de Renda, apenas redireciona parte do imposto para o projeto escolhido. Portanto, algum algum atrapalhado fala que “fulano de tal ganhou tantos milhões do governo”, não é verdade. O artista captou esses recursos junto a empresas ou pessoas físicas que tiveram as deduções de 4 ou 6% de seus impostos. É preciso esclarecer isso para passarmos ao próximo ponto.

Voltando à educação

A grade curricular do ensino no Brasil é uma piada. O país adotou um ritmo industrial para aprovação de alunos do ensino fundamental à graduação. Rotineiro termos profissionais graduados (alguns até com pós), assassinando a língua pátria ou sem o menor discernimento do que está falando. Em um país com deficiências tão profundas, querer um ministério apenas para a cultura, sem políticas claras, com metas a serem atingidas, é no mínimo, uma sacanagem com a cara da população. Um dos problemas da classe artística é que grande parte dos recursos oriundos da Lei Rouanet é oriunda de estatais, como a Petrobrás e Eletrobrás, que bancam praticamente todo o projeto. E ai sim, temos um problema.

Utopia

Na abertura de qualquer filme nacional, temos a logomarca dessas duas estatais, ou da Vale do Rio Doce, ou de empresas públicas estaduais. Pouco se capta junto à investidores privados. E é nesse ponto que as críticas se tornam mais pesadas. Quando envolve dinheiro público, ainda mais em um país que sequer consegue concluir obras estruturais, é preciso sim ficar atento. O Brasil deveria criar um mecanismo proibindo estatais de financiar esses projetos, certamente muitos que “vivem da arte”, voltariam a ter os pés no chão.

Artista mesmo

É o Pistolino, que faz filme com um Iphone e trabalha por amor à arte, sobrevive vendendo peças artesanais. É o tipo de artista que merece obter recursos via Lei Rouanet, mas ele até pode se chamar Pistolino, porém, lhe falta um “pistolão”.

LF Imports informa – O carro é automático? Não pare sem freio

Não deixe um carro automático estacionado na posição P sem o freio de mão acionado. Isso força a trava do câmbio, pois todo o peso estará apoiado nela – não projetada para o esforço –, provocando dificuldades de engate posteriormente. O ideal é colocar a alavanca na posição N, puxar o freio de mão, soltar o pedal de freio para se certificar de que o automóvel está totalmente imobilizado e só depois pôr a alavanca em P. O mesmo vale para a transmissão manual, a fim de evitar danos na engrenagem da marcha engatada.

PMDB confirma

Pimentel será mesmo candidato à prefeitura de Porto Velho e deve se desincompatibilizar do cargo, que será ocupado por seu adjunto. Também serão candidatos os secretários Volpi (Idaron), Luiz Gomes (Emater) e Rodinei Paes Sejucel.

Então já temos

Como pré-candidatos à prefeito de Porto Velho (ou intenção), Williamens Pimentel (PMDB), Léo Moares (PTB), o próprio Mauro Nazif (PSB), e talvez Hildon Chaves (PSDB – possibilidade bem remota).

 

Clínica Mais Saúde informa – A localização das espinhas tem significados

A localização das suas espinhas e dos cravos pode revelar mais sobre a saúde do que você provavelmente imagina. Um estudo revela o que elas podem indicar sobre a sua saúde dependendo da localização: Entre as sobrancelhas ou no nariz. Como destaca o Dr. Joshua Zeichner, do Mt. Sinai Hospital, em Nova Iorque, ter espinhas nestes locais indica ou que está a passar pela puberdade ou que está a sentir muito stress. Na linha do cabelo. Provavelmente tem usado demasiada quantidade de produtos no cabelo ou esfregou-os no couro cabeludo, obstruindo os poros. À volta da boca. A causa mais provável é o regime alimentar que faz. Comidas ácidas e gordurosas são os culpados mais prováveis por bloquear os poros e provocar borbulhas e pontos negros. Nas bochechas. Em princípio a culpa será das suas mãos. Aliás, sua, por não lavá-las com frequência. Talvez também seja tempo de limpar o seu teclado ou o celular. Nas orelhas. Pode ser um sinal de desidratação. Beba mais água e evite os refrigerantes. Na parte superior do braço. Este pode ser um sintoma de queratose pilar (ou ‘pele de galinha’).

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta