fbpx
Coluna – Risco de governo do Estado atrasar salários é real

E ainda, ‘Denúncidio do Amaral’ entrega Dilma, Lula, Palocci e implode o Planalto deixando Brasília em polvorosa

‘Denuncídio’ Amaral

O senador Delcídio do Amaral resolveu falar. E falou em 400 páginas o que todo mundo já sabia à grosso modo, mas ele trouxe riqueza de detalhes. Estremeceu os alicerces do Planalto e deve pagar um preço alto por isso. Atordoado, o ex-ministro da Justiça e agora chefe da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo tentou desqualificar Delcídio, afirmando que ele ‘não tem credibilidade’. Mas, pera lá, não era esse mesmo Delcídio que era líder do governo no Senado?

Contra fatos

O Planalto sabe, o Senado sabe, o STF sabe e até os bagres do Madeira sabem que toda a narrativa de Delcídio em suas 400 páginas é verdadeira. Ele se reunia quase que diariamente com Dilma, semanalmente com Lula e era o pivô do governo frente ao Congresso. Foi pego em uma cilada e o PT, como sempre, tratou de considera-lo um traidor. Preso ele enviava recados a cúpula petista, avisando que não aceitava aquela situação. Foi ignorado, fez o acordo e foi solto. Faltou homologar apenas por um detalhe, ele queria 6 meses de sigilo para articular sua defesa junto aos colegas no Senado e escapar da cassação.

Retaliação

O vazamento de sua delação, nesse momento, é ruim. Por não ter sido formalizada, é uma pilha de papéis com um relato, verdadeiro, mas sem o ‘aceito’ por parte da justiça. Por conter graves acusações contra a presidente da República, incluindo a nomeação de um ministro no Superior Tribunal de Justiça com o único objetivo de soltar dois presos da Lava Jato e enfraquecer a investigação. Isso é um crime gravíssimo e e foi comprovado. Marcelo Navarro votou pela soltura de Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez. Eles não foram soltos porque o pleno do STJ votou contra, mas Navarro cumpriu sua parte no acordo. Delcídio, a partir desta quinta-feira, corre sério risco de vida.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]No Senado

A situação do delator é ainda mais complicada. Ele entregou colegas de parlamento, cujos nomes ainda não vieram à público, e isso certamente vai pesar em seu processo no Conselho de Ética. Brasília não perdoa delatores. Eu já havia dito anteriormente que Delcídio vinha sendo tratado como ‘leproso’. Agora ele é o zumbi, não vai encontrar apoio em lugar nenhum. E ele não tem a malícia e desenvoltura de Roberto Jeferson, que entregou geral quando se viu acuado. Jeferson caiu atirando. Delcídio está caindo como um covarde, divulgando notinha para tentar se defender. Ele deveria correr para cima de Teori Zavaski para homologar o mais rápido possível esse acordo, do contrário ele vai acabar condenado e sem nenhum atenuante.

E o Lula?

Pois é, Delcídio entregou o ‘cumpanheiro’ a quem ele atribui a responsabilidade de ser o ‘chefão’. O senador revelou, por exemplo, que Lula pagou a Marcos Valério, o publicitário do Mensalão, R$ 220 milhões à título de ‘cala boca’. Deve ser por isso que Valério não reclama da prisão. E continua vivo. Já Celso Daniel não teve a mesma sorte.

Próximos passos

Se o Brasil fosse um país sério, ainda nesta quinta-feira o Congresso teria se reunido e dado início ao processo de impeachment de Dilma Roussef. Isso não aconteceu porque a oposição desconhece a íntegra da delação de Delcídio, e por lá praticamente todos tem telhado de vidro. Na dúvida, todos calam e aguardam. Mas, tão logo saibam de fato o que tem nas 400 páginas, os que não foram citados irão se rebelar. Espero. Dilma não tem condições morais para conduzir o país, o governo acabou. Só o PT que não consegue enxergar isso. Está na hora de ‘desapegar’, pensar no país, mas a ganância cega pelo poder não permite esse ato de grandeza. E nós pagamos o pato.

E as campanhas?

O ex-gerente de responsabilidade social da Petrobrás, Armando Tripodi afirmou em depoimento para o site institucional ‘Memória Petrobrás’ que petroleiros da Bahia usaram o imposto sindical na campanha de ‘Lula para presidente’ em 2002. O jornal Folha de São Paulo destacou que a prática é vedada pela legislação eleitoral, que proíbe que sindicatos e entidades de classe façam doações eleitorais. Na prestação de contas da campanha do ex-presidente naquele ano  não registra nenhum repasse do sindicato Tripodi  é suspeito de receber propina de um operador da Petrobras por meio da reforma de um apartamento, segundo a PF. Tripodi ainda afirmou no site que o imposto sindical foi um “recurso fantástico” usado em comunicação e aluguel de veículos para a campanha.

É bom lembrar

Que o PT não está nem aí para a legislação eleitoral brasileira. Nas últimas eleições eles chegaram a usar descaradamente os carteiros para entregar santinhos e panfletos de Dilma. Um verdadeiro ‘vale tudo’ que resultou em sua reeleição. Deve ter sido ideia daquele marqueteiro baiano e Dilma, assim como Lula, ‘não sabia de nada’. Se eles usaram recursos de sindicatos em 2002, também usaram em 2006, 2010 e 2014, ou alguém tem dúvida disso?

Aporte

A coluna Radar, da revista Veja informa que mesmo em meio à crise gerada pelas investigações da Lava-Jato, a Odebrecht fez um aporte para capitalizar a usina de Santo Antônio, na qual tem 18,6% de participação.No aumento de capital aprovado ontem, de 390 milhões de reais, apenas a empreiteira, Furnas, da Eletrobras, e o FIP Amazônia, da Caixa, se comprometeram a colocar o dinheiro, o que garante à hidrelétrica 302 milhões de reais. O aporte se manteve na proporção das participações de cada uma das sócias do empreendimento. Furnas tem 39% e a Caixa, 20%. De acordo com a Santo Antônio Energia, os recursos serão utilizados para quitar operações do mercado de curto prazo, onde acontecem as liquidações entre o que foi vendido em contrato pelas usinas e o efetivamente entregue.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Nem aí

Empresários que apoiaram a candidatura de Mariana Carvalho á deputada federal nas últimas eleições estão chateados com a bela. Reclamam que ela não atende ligações, ignora completamente qualquer tipo de relação. Por ‘apoio’ entenda ‘financiamento de campanha’. Mariana que já não estava morando em Porto Velho antes das eleições, está cada vez mais distante de seu eleitorado. É o começo do fim de sua carreira política. Brasília não dá voto para ninguém…

Nuvens negras

A equipe do governo Confúcio vem fazendo malabarismos para manter a folha de pagamento do funcionalismo em dia. Pedaladas correm soltas desde o ano passado. É aquela história do ‘cobre a cabeça e descobre os pés’. O governo já conseguiu cortar R$ 100 milhões, mas a arrecadação está em queda livre e sem previsão de chegar ao fundo à curto prazo. O problema maior enfrentado pelo Estado é a folha, que onera os cofres absurdamente. O risco de atraso de salários este ano é real se não forem encontradas alternativas de enxugamento da máquina.

Complicado

Atualmente, 17 estados já estão com atrasos nas folhas de pagamento. O modelo de Estado brasileiro é defasado e ridiculamente caro e ineficaz. A manter esse ritmo, a máquina pública vai inviabilizar o setor produtivo e vai quebrar. É preciso rever o modelo com urgência, reduzir impostos para quem gera emprego, desburocratizar o crédito e rever a legislação tributária e trabalhista.

Mantida

O STJ manteve a prisão do ex-deputado estadual Carlão de Oliveira, que havia impetrado um habeas corpus contra a decisão do Tribunal de Justiça de Rondônia, que expediu 17 mandados de prisão contra condenados da Operação Dominó. Na decisão, o STJ afirma que não viu qualquer ilegalidade na ordem de prisão, ao contrário, foi tomada a partir de novo posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que agora concorda com a prisão de condenados após confirmação da sentença pela segunda instância judicial. Carlão de recupera de uma cirurgia em São Paulo.

Clínica Mais Saúde informa – Consumo de água pode ajudar a emagrecer

Aumentar a quantidade de água ingerida diariamente pode trazer inúmeros benefícios dietéticos, inclusive perda de peso. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Human Nutrition and Dietetics, o aumento de apenas 1% no consumo de água por dia já é suficiente para diminuir o consumo de calorias. Pesquisadores da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, analisaram dados de 18.000 pessoas, coletados entre 2005 e 2012, e que continham informações sobre os hábitos dietéticos. Os resultados mostraram que um aumento de um a três copos no consumo diário de água já ajuda a reduzir entre 68 a 205 calorias por dia. Os níveis de gordura saturada, sal, açúcar e colesterol consumidos também caíram.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

3 thoughts on “Coluna – Risco de governo do Estado atrasar salários é real

Deixe uma resposta