Com alerta de ‘Cuidado, risco de desabar’, policlínica continua a atender em Porto Velho

Pacientes da Policlínica Manoel Amorim de Matos, que fica na Zona Sul de Porto Velho, denunciaram as más condições da estrutura da unidade de saúde. Com várias placas e fitas de isolamento, parte do prédio da policlínica foi isolada e vetada pelos próprios funcionários do local.

Morador da Zona Sul há mais de 26 anos, Luis Ramadan, diz ser paciente e usuário da policlínica. Ele lembra das promessas da nova gestão para o prédio.

“O antigo diretor havia colocado umas madeiras para segurar o prédio. Nessa nova gestão, o prefeito esteve lá e mandou tirar tudo, pois ia reformar o local, o secretário da saúde também esteve aqui dois meses depois que assumiu o cargo e nunca mais apareceu. Ele sabe do risco que os profissionais que trabalham lá e os pacientes estão expostos”, fala.

Morador há mais de 26 anos na Zona Sul da capital, paciente da policlínica diz ter feito denúncia ao MP para melhorar o atendimento (Foto: Jheniffer Núbia/ G1)
Luis ressalta que além da má estrutura, os funcionários têm que trabalhar com falta de medicamentos, entre outras coisas. “Já denunciei o local ao Ministério Publico há dois anos por telefone. Da outra vez chamei a imprensa, e agora novamente denunciei ao MP pelo site. Espero que haja mudanças”, disse.

Outro paciente que não quis se identificar, fala do medo de estar no prédio. “É um risco para nós entrarmos e estarmos aqui. Pois temos que ficar aguardando e esperar que o teto não caia na nossa cabeça.

Pacientes da Policlina Manoel Amorin de Matos são atendidos ao lado do prédio interdidado (Foto: Jheniffer Núbia / G1)

O diretor da policlínica, Raimundo Dias Feitoza, explica que mesmo em pouco tempo de gestão, buscou por meio da sinalização informar aos paciente sobre o mal estado do prédio. “Estou aqui há sete meses e vi o risco que podia causar aos pacientes. Já informamos à Secretaria de Saúde sobre a situação do local. Temos uma área que corre o risco de cair por isso que está isolado e já foi falado aos pacientes para que ele não passe naquele local”, disse.

Pacientes da Policlínica Manoel Amorin de Matos fazem denúncia (Foto: Jheniffer Núbia / G1)

O representante da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), Alexandre Porto, informou que existe uma emenda para reforma do prédio no valor de R$500 mil. “Desde de 2014 há uma emenda e assim que soubemos dessa existência, já providenciamos junto à nossa engenharia iniciar um processo de licitação e conclua essa reforma sem perder esse recurso”, esclarece.

Conforme disse o secretário, a unidade de saúde ainda continuará a fazer os atendimentos à população. “Não temos outro local para a população ser atendida. Falar prazo é algo difícil pois temos a licitação e toda uma tramitação. Mas já fizemos um pedido dia 28 de março para nossa engenharia para que a gente possa iniciar esse processo e ter um resultado com a maior brevidade possível”, fala.
Fonte: g1/ro

Deixe uma resposta