Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Comitê organizador lamenta morte de onça: “erramos”

0

Animal ficou estressado e depois de fugir de jaula, atacou soldado e foi morta à tiro

O comitê Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se pronunciou nesta terça-feira sobre o caso da onça-pintada Juma, morta após ser exibida durante o revezamento da tocha olímpica em Manaus-AM, na última segunda-feira.

“Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria nossas crenças e valores. Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio-2016″, diz o comunicado divulgado pelo Comitê Rio-2016 nas redes sociais.

Juma morreu no fim da manhã de segunda-feira, depois de escapar de sua jaula de proteção no zoológico do Comando de Instrução de Guerra na Selva. O centro estava fechado, sem visitação pública. A onça-pintada saiu da jaula e, então, uma equipe de veterinários do local foi tentar resgatá-la. Após ser atingido por um tiro de tranquilizante, o animal continuou caminhando em direção a um militar e acabou morto. Segundo a Seção de Comunicação Social do Comando Militar da Amazônia, a medida foi tomada “visando a proteger a integridade física do militar e da equipe de tratadores”.

Em nota oficial (confira a íntegra abaixo), o Comando do Centro de Instrução de Guerra na Selva já abriu um processo administrativo para apurar o caso.

Confira a nota do Comando Militar da Amazônia:

“1. O Comando Militar da Amazônia (CMA) informa que, no dia 20 de junho de 2016, no final da manhã, uma onça veio a escapar no interior do Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), que no momento do ocorrido se encontrava fechado, vazio e em segurança.

2. Uma equipe de militares composta de veterinários especializados no trato com o animal foi ao seu encontro para resgatá-la. O procedimento de captura foi realizado com disparo de tranquilizantes. O animal, mesmo atingido, deslocou-se na direção de um militar que estava no local. Como procedimento de segurança, visando a proteger a integridade física do militar e da equipe de
tratadores, foi realizado um tiro de pistola no animal, que veio a falecer.

3. O Comando do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) já determinouabertura de processo administrativo para apurar os fatos.

Atenciosamente,
Seção de Comunicação Social do Comando Militar da Amazônia”

Comentários
Carregando