Confúcio confirma ter dado ordem para cancelar contrato de vigilância

“Eu mando sim no meu Governo. Como prova disso, cancelei um contrato milionário, de interesse do meu adversário”. Essa declaração foi dada pelo governador Confúcio Moura durante entrevista a uma rádio de Jaru durante o último fim de semana. O próprio Confúcio vinha negando, sistematicamente, ter sido o responsável pela demissão de 2.800 vigilantes que prestavam de vigilantes nas escolas públicas do estado.

O caos se instalou nas escolas do estado com a rescisão do contrato de vigilância que o governo mantinha com empresa privada, roubos, assaltos, incêndios, diretores e funcionários sendo agredidos por bandidos, toda essa situação passou a ser rotineira quando os vigilantes foram demitidos.

Confúcio sempre negou que a autorização para a rescisão do contrato e a consequente demissão dos funcionários tivessem sido orientados por ele. Mas agora no início da campanha eleitoral, acusado de não ter pulso, nem mandar em seu governo rebateu afirmando ter dado a ordem para a suspensão do contrato com a empresa Rocha Vigilância, de propriedade do ex-senador Expedito Júnior, pré-candidato ao governo do Estado.

Como alternativa para a falta de vigilantes, o estado passou a contratar empresas de monitoramento eletrônico, que estão se mostrando ineficazes, já que os atos de vandalismo aumentaram, assim como dezenas de incidentes de violência e depredação registrados nas escolas da rede pública de ensino.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta