Eleições 2014Política

Confúcio e Daniel Pereira podem perder mandato

Confúcio e Daniel Pereira podem perder mandato

Provas apresentadas pela Procuradoria Eleitoral são robustas e podem resultar na cassação de diploma do governador e seu vice

24112014-184213-p1.jpg

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Um minucioso trabalho de investigação com provas robustas sobre o abuso eleitoral do candidato Confúcio Moura (PMDB) e seu vice Daniel Pereira (PSB) foi apresentado pela procuradora da República Gisele Dias de Oliveira Bleggi Cunha pedindo a cassação do diploma de ambos os candidatos. Três fatos foram apontados com gravações e testemunhos cabais do uso ostensivo da máquina governamental. Segundo a PRE, houve coação de servidores comissionados, distribuição indiscriminada de alimentos e bebidas na convenção e uso de logomarca do hospital de câncer em benefício do candidato Confúcio Moura.

No dia 5 de agosto a 2 meses das eleições, a carreta com a logomarca identificando a gestão do Governo da Cooperação foi estacionada em frente a unidade de Saúde Agenor de Carvalho e lá estiveram presentes a vereadora Ana Negreiros, que disputou a cadeira de deputada estadual, e o governador Confúcio Moura, cumprimentando as pessoas durante o atendimento. No mesmo dia, a Rede TV de propriedade do senador reeleito Acir Gurgacz – que disputou a reeleição na mesma chapa de Confúcio – deu ampla publicidade da carreta, sua logomarca, favorecendo o candidato governista. O veículo percorreu, segundo os investigadores, a Vila Princesa, Ronaldo Aragão, Nova Floresta, Caladinho, Pedacinho de Chão, Agenor de Carvalho e várias outras policlínicas. “….Percebe-se que o desenvolvimento do projeto de prevenção do câncer na Unidade Móvel se deu exclusivamente no período eleitoral. Esteve dois meses na frente do hospital de Câncer de Barretos em Porto Velho e a partir de 80 dias das eleições, do dia 11 de abril a 6 de junho, fizeram atendimentos nos bairros”, diz trecho do relatório.

Coação de servidores

Os secretários e diretores com CDS acima de R$ 6 mil eram obrigados a “vender” os convites do jantar de adesão e de arrecadação de campanha de Confúcio Moura na Talismã 21 no dia 29 de agosto. “Ademais, tal oferecimento se deu a título coercitivo (moral), de modo que, caso não quisessem contribuir, poderiam perder seus cargos ou suas gratificações, pois de livre exoneração ou dispensa”, prossegue a procuradora. Ela apresenta o rol de duas testemunhas. O primeiro do policial militar André Roberto de Azevedo. Ele diz ter sido exonerado porque se recusou a adquirir o convite para o jantar e teria declarado apoio a outro candidato. Segundo termo de declaração da senhora Inês Soares de Freitas, o secretário Williames Pimentel mandou ela vender os convites aos funcionários já que ela conhecia todos os servidores da Sesau.

O Disque Denúncia (148) também recebeu informação de que na Caerd, os diretores estavam ameaçando quem não comprasse os convites. Em uma gravação, o serviço de investigação da Justiça Eleitoral corroborou a acusação ao colher depoimentos de pessoas que estavam sendo obrigadas a participar de passeatas e de comprar os convites. A peça acusatória ganha reforço com a gravação da declaração do vice de Confúcio, Daniel Pereira, sugerindo que o chefe do Executivo deveria exonerar quem não contribuísse com a campanha. “A CONTA É SIMPLES: SE O CARA TEM CARGO COMISSIONADO NO GOVERNO E ELE NÃO DEFENDE ESSE GOVERNO, NOS NÃO PRECISAMOS DELE. MANDA ELE EMBORA…”, afirmou Daniel Pereira. O vice vai mais longe ao propor que as prefeituras de Porto Velho e Ji-Paraná, onde o PSB tem seus prefeitos, deveriam mudar de horário de expediente para todos participarem da campanha de Confúcio.

Por fim a Procuradoria da República garante que está “claro o abuso de poder, em suas várias modalidades, comprovadamente influenciaram a disputa eleitoral, comprometendo a lisura do pleito e por consequência o processo democrático, na medida em que tornam viciada a vontade popular expressada no voto”.

Fonte: RONDONIAGORA

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Next article Bancada federal se cala diante da Operação Platéias
Previous article 2,7 milhões de pessoas tentaram limpar nome em feirão online

Related posts

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Você pode ser o primeiro a comentar esta postagem postar comentário!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta