Conheça algumas regras básicas para um cartão de visitas elegante

Tudo depende das características da pessoa, da empresa e do mercado em que elas estão inseridas, mas o bê-a-bá é quase sempre o mesmo para não passar uma imagem negativa

O cartão de visitas é um minicurrículo. Em encontros profissionais, reuniões ou eventos, é ele que causa a primeira impressão sobre você, que te identifica e que pode abrir oportunidades para tua carreira ou para tua empresa. Elegância, neste caso, é decisiva.

O que pega bem e o que pega mal varia de caso para caso. Tenha em mente o seguinte: tudo depende da sua identidade, da forma como sua empresa se apresenta e do mercado no qual ela está inserida. Uma mente criativa de uma agência de publicidade tem mais liberdade para inovar em cores e ilustrações. Para um advogado de um escritório, sobriedade é essencial.

Também conta quem vai receber o cartão. Se for um jornalista, alguém que acumule pilhas, um cartãozinho ou um cartãozão podem atrapalhar. “Tudo depende dessas caraterísticas”, avalia Maria Paula Teixeira Flocke, sócia-diretora da Casa das Três Design Estratégico, agência especializada em branding. Um trabalho de construção de marca, que evidentemente envolve muito mais do que a confecção do cartão de visitas, custa entre R$ 60 mil e R$ 300 mil.

Mas há algumas regrinhas que valem para a maioria dos casos. Conversamos com Célia Leão, consultora em etiqueta empresarial, e montamos um bê-a-bá do cartão de visitas.

1- Não abrevie seu sobrenome. Em vez de colocar uma inicial seguida por um ponto, decida-se entre manter todo o nome no cartão ou cortar algum dos sobrenomes.

2- Coloque o nome que prefere ser chamado em negrito. Se você é chamado pelo sobrenome ou por algum apelido profissionalmente, este detalhe é suficiente para destacá-lo.

3- Não rasure o cartão. Trocou de cargo? Novo na empresa? Mudou de número de telefone? Faça um novo cartão assim que possível. Rabiscar essas informações passa má impressão.

4- Esqueça usar sua foto. “De vez em quando vejo cartões com fotografia. Se o negócio da empresa é fotografia, capriche. Dê uma inovadinha. Se não for, fique na sua e use a logomarca da sua empresa. É mais elegante”, sugere a consultora em etiqueta empresarial.

5- Coloque seu celular. Antigamente, havia um consenso de que o número do celular era íntimo demais para ser descrito num cartão de visitas. Isso mudou. Apenas seja seletivo na hora de distribuir cartões e desligue o aparelho quando preferir não ser incomodado, mas não sonegue informações sobre você. E-mail e telefone fixo também são indispensáveis.

6- Não amasse, não dobre. Não precisa de muita justificativa, não é? Não aparente desleixo.

7- Entregue o cartão ao fim da reunião. Este é o momento em que você já vendeu seu peixe, já mostrou por que será legal para quem está do outro lado trabalhar contigo. Só em reuniões com muita gente presente é que entregar logo de cara pode ser mais prático.

8- Seja conservador. A menos que você esteja em uma empresa que reconhecidamente deve ser excêntrica, faça o simples. Prefira o tamanho convencional e cores frias. “Cartões mais elegantes são impressos em tons pastel, cinza ou pérola, letras em vinho ou preto”, diz Célia.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário