Coreia do Sul pede 12 anos de prisão para herdeiro da Samsung

Lee Jae-yong foi acusado de suborno, malversação e ocultação de ativos no exterior

A Promotoria da Coreia do Sul pediu nesta segunda-feira uma pena de 12 anos de prisão para o herdeiro do grupo Samsung, Lee Jae-yong, pelas acusações de suborno, malversação e ocultação de ativos no exterior.

A petição da Promotoria foi apresentada durante a última sessão do julgamento contra Lee que acontece desde o começo de março no Distrito Central de Seul, onde a acusação também propôs penas de dez anos de prisão para outros três altos executivos da Samsung, segundo informou a agência local “Yonhap”.

Lee permanece detido desde meados de fevereiro passado, quando o grupo de promotores independentes que atua no caso apresentou acusações contra ele pelos citados delitos, supostamente dentro do caso “Rasputina”, e que teriam permitido à Samsung obter tratamento favorável das autoridades.

O homem que lidera de fato o grupo empresarial mais importante do país é acusado de autorizar o desvio de 43 bilhões de wones (US$ 37,3 milhões) para fundações sob o controle de Choi Soon-sil, conhecida como “Rasputina”, por causa de sua amizade com a ex-presidenta sul-coreana Park Geun-hye.

Lee, de 49 anos, assumiu em 2014 as rédeas do conglomerado depois que seu pai, Lee Kun-hee, sofreu um infarto que o deixou incapacitado.

EFE

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta