fbpx
Corpo de criança de 7 anos que estava desaparecida em Fortaleza é encontrado queimado

O menino Marcelo Henrique Gonçalves de Oliveira, de sete anos, foi encontrado morto, em uma estação de tratamento de água. Ele foi achado com o corpo queimado após desaparecimento de quase 24 horas que mobilizou os moradores do bairro Aracapé, onde morava.

A criança saiu para brincar com um amigo no fim da tarde do domingo, 17, e desapareceu. A professora do menino, Eliana Rodrigues, conta que ele brincou na casa do colega até as 17 horas e, às 18 horas, a mãe não o encontrou mais. Foi quando a família começou a divulgar fotos de Marcelo, na esperança de que ele fosse encontrado.

A mobilização nas redes sociais se manteve durante todo o dia de ontem. Segundo a tia do menino, Karol Sá, a Polícia foi acionada e chegou a fazer buscas em hospitais e nas proximidades. “Quando fui procurar algumas páginas (no Facebook) para ajudar na divulgação das imagens, recebi a foto dele sem vida. Liguei para o pai dele, que confirmou que o corpo foi encontrado”, disse Karol.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgou em nota que o caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Menino alegre e esperto

Aluno do 1º ano do ensino fundamental, Marcelo era considerado pela professora Eliana um menino “alegre, ativo e esperto”. Ele estudava na Escola Municipal Infantil João Hildo de Carvalho Furtado, no período da manhã. Entrou na escola em agosto deste ano após se mudar com a família para o bairro Aracapé.

O caminho de ida e volta da escola era feito com a irmã de nove anos e o melhor amigo, da mesma idade. Para a professora, Marcelo era avançado na leitura e na escrita, em relação aos outros alunos. Gostava de ir à escola para brincar e para se alimentar, como é a realidade de muitas crianças.

Há pelo menos uma semana, Marcelo avisou aos professores que sairia da escola, pois viajaria para o Interior, onde iria morar com o pai. Em Fortaleza, a criança vivia com a mãe e a irmã.

“Há uns 15 dias o pai dele esteve na escola e falou que estava aguardando terminar o ano letivo para que ele viajasse para o Interior. Hoje (ontem) pela manhã, o pai dele retornou à escola e disse que a mãe ligou (comunicando o desaparecimento) e que ele veio do Interior às pressas, pois o menino havia desaparecido”, conta a professora.

Segundo a tia, Marcelo era tímido com quem não tinha convívio, mas muito brincalhão. A professora de Marcelo conta o susto diante da notícia da morte do garoto. “Ainda estou em estado de choque, porque a gente convive com essas crianças e eu nunca vivenciei essa situação tão de perto. É muita violência e falta de humanidade”.

O Povo

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta