Corrupção corporativa – por Andrey Cavalcante

Em Artigos jurídicos
Tragédia anunciada - por Andrey Cavalcante

“Quando o governante se afasta da justiça, os governados se afastam da obediência”. O vaticínio do provérbio árabe ajusta-se à perfeição ao conturbado momento político/institucional brasileiro. A indignação nacional contra a corrupção começa a se fazer acompanhar por um sentimento que mistura surpresa, estarrecimento e desencanto, pela constatação de que todos são efetivamente contra essa verdadeira endemia nacional, desde que a prática criminosa seja atribuída aos outros, ou no endereço em frente. Ou seja: aquela dosagem de corrupção corporativa, da qual se beneficiam determinados grupos de privilegiados não deve ser considerada. Percebe-se, claramente, para inquietação geral, que se a lei é igual para todos, alguns insistem em considerar-se mais iguais que os outros, com disse Orwell. “O brasileiro é bom. O brasileiro é honesto. Senão, este país estaria imerso no caos social” – sentencia o ensaísta Mario Cesar Pacheco, que assina o blog “Perspectiva crítica”, ao refletir sobre a história, que circula na internet, que estabelece uma comparação entre suecos e brasileiros e sentencia que os primeiros são civilizados e nós, os outros, não.

– O assunto surgiu – escreve Pacheco – com uma história por Décio Tadeu Orlandi, que se intitula bacharel em Letras pela USP e mestre em Literatura pela UFG. Ele diz que “Há alguns anos, entrei numa estação de metrô em Estocolmo, a tão civilizada capital da tão primeiro-mundista Suécia, e notei que havia entre muitas catracas comuns uma de passagem livre. Questionei a vendedora de bilhetes o porquê daquela catraca permanentemente liberada, sem nenhum segurança por perto, e ela me explicou que era destinada às pessoas que por qualquer motivo não tivessem dinheiro para a passagem. Minha mente incrédula e cheia de jeitinhos brasileiros não conteve a pergunta óbvia (para nós!): e se a pessoa tiver dinheiro mas simplesmente quiser burlar a lei? Aqueles olhos suecos e azuis se espremeram num sorriso de pureza constrangedora – Mas por que ela faria isso? – perguntou. Não respondi. Comprei o bilhete, passei pela catraca e atrás de mim uma multidão que também havia pago por seus bilhetes. A catraca livre continuava vazia, tão vazia quanto minha envergonhada alma brasileira”.

O episódio ilustra a defesa que o autor faz da ação do estado, que torna os países nórdicos os primeiros em IDH no mundo e permite tamanha exibição de comportamento civilizado. Ele sentencia que a repetição cotidiana do respeito que o Estado tem pelo cidadão alimenta o respeito que o cidadão tem pela coletividade numa espiral sócio-cultural-institucional que a policial sueca nem mesmo consegue imaginar o porquê de alguém violar uma regra social e ética como a de somente passar pela roleta gratuita se não tiver dinheiro. Mostra também o que devemos fazer para chegar lá: “investimento em educação e no serviço público eficiente, para que os cidadãos, obtendo respeito de seu Estado (e não falta de Estado como querem alguns), possam alimentar carinho, consideração, amor e respeito por suas instituições e pelo bem coletivo e suas regras de conduta”.

Episódios recentes de nosso cotidiano indicam estarmos muito longe do caminho certo. E a cada dia nos afastamos mais. No atual ambiente de obnubilamento das consciências e exacerbação das vontades, a culpa é sempre dos outros – advertiu no domingo o editoria de O Estado/SP.

Exemplos disso têm sido repetida e lamentavelmente registradas justamente por aqueles aos quais confiamos nossas mais acalentadas esperanças de uma reversão consistente de todas mazelas que afastam o país dos rumos desejados. Foi esse o caso do ministro Luiz Fux, que determinou, em uma liminar monocrática, a anulação de todos os procedimentos legislativos relacionados com as Dez medidas contra a corrupção, remetendo tudo de volta à estaca zero. A medida – cuja impropriedade parece consensual entre seus pares – contraria “as mais elementares noções de separação de poderes, de coisa julgada, de obediência a precedentes, enfim, tudo aquilo que forma o arcabouço a que chamamos de segurança jurídica e que tem sido desconstruído pelo Judiciário não se sabe exatamente a troco de quê” – conforme observa Ibaneis Rocha, secretário-geral adjunto do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Para ele, “é emblemático do quadro de perplexidade atual. O Supremo corrigir eventuais aberrações legislativas, mas jamais interferir durante o processo em que elas estão sendo gestadas dentro do parlamento. Nos últimos tempos, porém – tempos estranhos, como se tornou recorrente afirmar – nada se pode garantir à luz de decisões que põem a hermenêutica de ponta-cabeça. Em se tratando do Supremo, então, tudo se tornou possível, ou, melhor, imprevisível, pondo os poderes em franca rota de colisão.

– Vivemos uma crise econômica das mais graves. Há uma série de propostas em discussão, muitas delas polêmicas, mas uma coisa é certa: é necessário erradicar as castas que dividem os cidadãos entre aqueles que têm toda a sorte de privilégio estatal e aqueles que ficam jogados à própria sorte, que acabam tomados por completa desesperança. O resultado dessa desesperança é sentido nas urnas, na rejeição à política, que nunca levou nenhum país a algum bom lugar. Temos de retomar as rédeas do país e começar a respeitar as regras. Tudo o que se espera do Judiciário é que ele funcione como garantidor da liberdade ativa e da Constituição. Sempre que esse equilíbrio esteve ameaçado, escancararam-se as portas para os oportunistas.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

Leia também!

Sindicato não pode cobrar honorários advocatícios de sindicalizado

Sindicato precisa de autorização para representar filiado na Justiça, fixa STJ

Os sindicatos precisam de autorização expressa de seus filiados para os representarem junto à Justiça. A jurisprudência do Superior

Read More...
WhatsApp Web lança atualização que afeta layout e GIFs; entenda

Mensagens difamatórias em grupo geram indenização

Rapaz pagará R$ 10 mil a mulher por ofensas. A 8ª câmara de Direito Privado do TJ/SP manteve sentença

Read More...
A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

A ética nas empresas não se limita a um manual de boas práticas, diz Andreas Pohlmann

Andreas Pohlmann, um dos maiores especialistas em ética empresarial no mundo, fala sobre o combate à corrupção corporativa no

Read More...

Deixe uma resposta

Menu slide para smartphones