fbpx
“Cracolândia” do centro da Capital é denunciado por moradores

Moradores da região Central, na Rua Paulo Leal, entre as Ruas Brasília e Getúlio Vargas, atrás de uma agência da Caixa Econômica Federal e da Advocacia Geral da União (AGU), protocolaram denúncia através de ofício na Secretaria de Estado de Promoção da Paz (Sepaz) para a retirada de supostos usuários de crack e moradores de rua que se alojaram nas calçadas das proximidades.

De acordo com um dos moradores, que preferiu não ser identificado, foram protocolados ofícios também na Prefeitura pedindo providências urgentes. No caso da administração municipal o entulho que foi acumulado na área pelos próprios usuários e eram utilizados para montar barracas improvisadas foram retirados, porém como os moradores permaneceram no local, já está ocorrendo novo acúmulo de entulho.
Na denúncia que chegou ao Rondoniaovivo no local existe um constante consumo e venda de drogas.

O denunciante disse que chegou a conversar pessoalmente, via telefone, com a secretária adjunta da Sepaz, Sônia Maria dos Santos Pereira, sobre o caso e que garantiu que agiria com rigor. Porém passados alguns dias nenhuma providência foi tomada.

Existem casos registrados de roubos nas imediações da chamada “cracolândia” e a insegurança é constante. De acordo com alguns moradores, que estão preocupados em circular no local, até mesmo durante o dia o consumo de droga é vista às claras.

“É necessário segurança em toda área e a retirada imediata desses moradores de rua, o prejuízo é muito grande não só para moradores como comércio local”, disse o morador.

Na região funcionam lojas de construção e ferragens.

Fonte: rondoniaovivo

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta