Crianças de 6 anos sabem mais de tecnologia do que adultos

Os jovens entre 14 e 15 anos são os que mais conhecem tecnologia atualmente, segundo um novo estudo da reguladora de comunicações do Reino Unido, Ofcom, e crianças de 6 anos também ganham dos adultos quando se fala em entendimento tecnológico. Segundo a pesquisa, após a adolescência, a “confiança” digital começa a decair nas pessoas.

De acordo com a Ofcom, os adolescentes dessa idade muito provavelmente não conheceram a internet discada e são a primeira geração a se beneficiar das comunicações digitais e de banda larga enquanto crescem.

A pesquisa foi feita com 2 mil adultos e 800 crianças e mediu a confiança e conhecimento da tecnologia da comunicação para calcular o “Quociente Digital” (DQ, na sigla em inglês) do indivíduo. Considerando essa medida, um adulto médio no Reino Unido tem cerca de 100 pontos.

Entre as descobertas, foi divulgado que crianças de seis anos têm o quociente digital em 98, enquanto adultos de 45 anos têm 96. Além disso, mais de 60% dos entrevistados acima de 55 anos têm uma pontuação abaixo da média no DQ.

Como resultado do crescimento na era digital, jovens de 12 a 15 anos estão desenvolvendo hábitos de comunicação diferentes do que as gerações anteriores, até mesmo comparados com o grupo da faixa de 16 a 24 anos. Somente 3% das crianças de 12 a 15 anos fazem ligações, enquanto a grande maioria (94%) usa comunicações baseadas em texto, como redes sociais e mensagens instantâneas.

Em contrapartida, 20% dos adultos entrevistados ainda gasta tempo com chamadas telefônicas. Os adultos também usam comunicações baseadas em texto, mas o meio mais popular é o e-mail, usado por 33% dos participantes.

Fonte: Terra

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário