Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Cúpula da segurança do Rio definem nesta segunda ocupação de favelas por forças federais

0

Uma reunião definirá nesta segunda-feira (24) ações de segurança pública após a série de ataques às UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). Em pauta, a ocupação de favelas do Rio de Janeiro por tempo indeterminado pelas forças federais e batalhões da Polícia Militar do Rio. No encontro, que acontece às 10h no Centro Integrado de Comando e Controle, na capital fluminense, participam a cúpula da segurança do Rio, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e representantes das Forças Armadas.

Entre os participantes estão o governador Sérgio Cabral; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi; o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, além do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Luís Castro de Menezes, e o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso. A onda de violência contra agentes das UPPs levou o governo a pedir ajuda do governo federal a três meses do início da Copa do Mundo, da qual o Rio é uma das cidades-sedes.

As comunidades do Parque União e Nova Holanda, no conjunto de favelas da Maré, Complexo de Manguinhos, e os morros do Juramento e Juramentinho, em Vicente de Carvalho, Para-Pedro, no bairro de Colégio, e Chapadão, em Costa Barros, que começaram a ser ocupadas desde a noite de sexta (21), permanecerão assim por tempo indeterminado, segundo a Polícia Militar.

Em comum entre elas, está o domínio dessas comunidades pela maior facção criminosa do Rio. O porta-voz da PM, tenente-coronel Cláudio Costa, convocou a população a “ajudar no combate aos criminosos por meio de denúncias sobre localização de bandidos, armas e drogas”.

As ocupações são encaradas como uma preparação para a chegada das forças federais ao Rio. A instalação de UPPs no Complexo da Maré estava prevista pelo governo do Rio para o primeiro semestre deste ano. A área é vista como estratégica e a ação visa a Copa do Mundo, em junho.
As operações ocorrem em um contexto de policiamento reforçado nas UPPs, que sofreram ataques na noite da última quinta (20), quando o comandante da UPP de Manguinhos foi baleado e contêineres da UPP do Mandela foram incendiados.

Na semana passada, o subcomandante da UPP da Vila Cruzeiro, Leidson Acácio, foi baleado na testa ao ser cercado por um grupo de criminosos. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Na sexta, o governador Sérgio Cabral se reuniu com a presidenta Dilma Rousseff, para pedir apoio de forças federais na segurança da capital, o que foi consentido.

Comentários
Carregando