Dançarina de Léo Santana é atropelada duas vezes em menos de 5 minutos

Uma professora de dança de Cubatão (SP), morreu após sofrer dois acidentes, em um intervalo de apenas cinco minutos. Alessandra Andrade, 43, era professora no SESI e voltava de um show do cantor Leo Santana, onde se apresentou no palco como dançarina.

De acordo com informações da PM, a dançarina pilotava uma moto na Rodovia Anchieta, que faz a ligação entre São Paulo e Baixada Santista, quando foi tocada por um carro, arremessada e atropelada em seguida. O condutor do veículo fugiu sem prestar socorro e não foi localizado.

Poucos minutos depois, um outro motorista, que viu a professora no chão, parou para prestar socorro. Enquanto recebia atendimento, ela foi novamente atropelada, por outro carro, acabou sendo arremessada novamente e morreu no local. O homem não foi atingido.

Segundo o SAMU, os acidentes ocorreu durante a noite. Imagens de câmeras de monitoramento podem ajudar a esclarecer o que ocorreu. A polícia acredita que o autor do atropelamento será facilmente identificado, já que a placa dianteira do carro acabou caindo no local e foi encontrada.

Alessandra Andrade revelou a amigos e familiares, minutos antes de morrer, que a apresentação que havia acabado de fazer após o show do cantor baiano Léo Santana, em São Vicente, no litoral de São Paulo, seria a última de sua vida.

Rodeada de amigos, a dançarina se apresentou depois do show do cantor Léo Santana (ex-Parangolé) em uma casa noturna de São Vicente. Segundo a amiga e também dançarina Taio Messias, Alessandra parecia abatida antes do show.
“Ela estava sempre sorrindo, animada e bem arrumada. No dia do acidente era o oposto. Estava desarrumada, cabisbaixa e cansada”, conta.

Frederico César, professor de dança, também se apresentou com Alessandra horas antes do acidente e sentiu a colega estranha. Meia-hora antes de ir embora, ela falou que estava “se aposentando” dos palcos. “Ela estava cansada. Chegou a dizer que essa seria a última apresentação dela”, explica Frederico.

Taio também ouviu a dançarina dizer que não se apresentaria mais. “Ela falou ‘esse é o meu último show, não subo nunca mais no palco. Estou cansada, velha e não tenho mais idade pra isso’, parece que sabia que ia morrer”, relembra a amiga.

Foto com a dançarina foi tirada no camarim antes de sua última apresentação. (Foto: Reprodução/Facebook)

Alessandra tinha 43 anos e, além de se apresentar, dava aulas de dança no SESI Santos. Os amigos contam que lembrarão da professora com muito carinho. “Vamos lembrar dela como ela era: sorridente. Sempre alto astral e pra cima”, conta Taio. O velório e o sepultamento da dançarina ocorreram durante o domingo (3) em Cubatão, também na Baixada Santista.

Imagens de câmeras de monitoramento podem ajudar a esclarecer o que ocorreu. A polícia acredita que o autor do atropelamento será facilmente identificado, já que a placa dianteira do carro acabou caindo no local e foi encontrada. Até a manhã desta segunda-feira (4), porém, ele ainda não havia se apresentado na delegacia.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário