Delcídio faz delação premiada e entrega Lula, Dilma, Palocci e Erenice Guerra

O senador Delcídio do Amaral fez acordo de delação para ser solto com a Procuradoria de Justiça, que investiga os escândalos de corrupção no governo de Dilma Roussef e de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. Delcídio, que era líder do governo no Senado, foi preso após ser gravado pelo filho de Nestor Cerveró tramando uma tentativa de fuga. O senador acusou Lula de ter armado a conversa com Bernardo Cerveró a fim de impedir que ele delatasse seus crimes.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O senador também afirmou que a presidente da República articulou a nomeação de ministros do STJ com o único propósito de favorecer os envolvidos na Lava Jato. também entregou pagamentos de propina a Antonio Palocci e Erenice Guerra em obras no setor elétrico, como Belo Monte.

Os depoimentos de Delcídio Amaral, segundo a revista IstoÉ que conseguiu uma cópia com exclusividade, “ocupam cerca de 400 páginas e formam o mais explosivo relato até agora revelado sobre o maior esquema de corrupção no Brasil – e outros escândalos que abalaram a República, como o mensalão”.

De acordo com a IstoÉ, “Dilma solicitou que Delcídio, na condição de líder do governo, ‘conversasse como o desembargador Marcelo Navarro, a fim de que ele confirmasse o compromisso de soltura de Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo’, da Andrade Gutierrez.

Conforme acertado com a presidente, Delcídio se encontrou com Navarro ‘no próprio Palácio do Planalto, no andar térreo, em uma pequena sala de espera’, o que, segundo o senador, pode ser atestado pelas câmeras de segurança.

Na reunião, de acordo com Delcídio, Navarro ‘ratificou seu compromisso, alegando inclusive que o dr. Falcão (presidente do STJ, Francisco Falcão) já o havia alertado sobre o assunto’”.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta