Dentista que não lavava as mãos causa “recall” de pacientes

Na Inglaterra, um dentista teve que promover um “recall” de 22 mil pacientes, porque foi acusado de não seguir regras básicas de higiene em seu consultório, como lavar as mãos, por exemplo. Segundo o NHS (Sistema de Saúde Britânico), os pacientes de Desmond D’Mello tiveram que se submeter a exames de sangue para verificar se não contraíram nenhuma doença infecciosa no consultório do dentista. Ainda segundo órgão, Desmond não higienizava as mãos, não trocava as luvas e, o pior, não esterilizava seus instrumentos.
Essa notícia coloca em discussão a importância de lavar as mãos antes do contato com o meio bucal, inclusive antes de escovar os dentes. Segundo Juliana Beneti Barreto, dentista da Sorridents, a simples utilização de água e sabão pode reduzir a população microbiana presente nas mãos e, na maioria das vezes, interromper a cadeia de transmissão de doenças.
Mas como as bactérias da mão podem chegar aos dentes durante a escovação? Muito simples, passando fio dental ou enxaguando a boca. “Se as mãos não forem devidamente higienizadas, essas bactérias podem entrar em contato com a gengiva (no caso do fio dental, através da região de introdução do fio), cair na corrente sanguínea e causar infecções graves, não só na boca, mas em outras regiões do corpo por onde o sangue circula”, diz Juliana.

Profissionais: cuidados redobrados
“O profissional da saúde bucal deve pecar pelo excesso de higiene para não disseminar as chamadas infecções cruzadas através das mãos contaminadas”, diz Ricardo Ladorucki, cirurgião-dentista. Infecção cruzada é quando existe troca de bactérias entre as pessoas por conta de empréstimos de escova de dente, beijo ou até na hora de se dividir um alimento. Ricardo completa, ainda, que a utilização de luvas descartáveis, aventais, máscaras, óculos e gorros para os cabelos ajudam a manter a higienização do local e do atendimento.

Por conta de tudo isso, não é preciso dizer que hábitos como roer as unhas ou chupar os dedos podem ser um perigo para a saúde. “Além da contaminação da mão na boca sem a devida higienização, estes hábitos também prejudicam o desenvolvimento da arcada e dos dentes (desalinhando-os ou entortando-os) e alteram o formato do palato (céu da boca) durante o desenvolvimento da criança”, diz Juliana. “O hábito de roer as unhas ainda pode causar desgastes dos dentes e das articulações temporo-mandibulares, podendo causar dor e estalos”, diz Ricardo.

Beta

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta