Dilma não descarta Lula no governo e diz que possibilidade de renúncia é ofensa

Presidente da República concedeu entrevista à imprensa um dia depois de Lula ter pedido de prisão feito pela Promotoria

No dia seguinte ao pedido de prisão preventiva de Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta sexta-feira (11), que não descarta a possibilidade de ter o maior símbolo do Partido dos Trabalhadores como ministro de seu governo e classificou como “ofensa” a possibilidade de renunicar ao cargo diante da crescente pressão política que vem sofrendo.

O discurso vem dois dias antes dos primeiros grandes protestos do ano pedindo o impeachment de Dilma, marcados para domingo (13), um ano depois dos maiores atos dos anti-petistas registrados até hoje. Há expectativa de conflitos entre manifestantes oposicionistas e militantes pró-PT, o que levou a PM em vários Estados do País a reforçar seus efetivos de segurança.

“É impossível, para quem me conhece, achar que, pela minha trajetória pessoal, de honradez, eu me resigne diante de absoluto desrespeito à lei e à Constituição sobre como querem tratar esta questão”, atacou Dilma sobre sua possível reação após o pedido de prisão de Lula. “Eu fui presa e torturada pelas minhas convicções [na época da ditadura militar]. Não estou resignada diante de nada, não tenho essa atitude diante da vida e acho que é por isso que represento o povo brasileiro […] Não tenho a menor propensão ou justificativa [para renuncuiar]. Para mim, isso é uma ofensa.”

O pedido de prisão do MP, por suposto favorecimento de empreiteiras condenadas na Lava Jato em um apartamento tríplex no litoral paulista que seria de Lula, ocorreu exatamente uma semana depois de o petista ter sido o alvo central da 24ª fase da operação da Polícia Federal, Aletheia – que impulsionou uma série de protestos contra e a favor do ex-presidente, na sexta-feira (4), resultando em conflitos nos Estados de São Paulo e Paraná.

O cerco contra Lula levou o governo federal a passar a considerar seu nome para assumir algum ministério no Planalto, o que daria a ele direito a foro privilegiado em um possível julgamento – evitando que fosse julgado em primeira instância por um tribunal comum (no caso de processo, ele seria levado ao Supremo Tribunal Federal).

“Eu não costumo discutir como faço ministérios, mas teria o maior orgulho de ter Lula no governo, uma pessoa com expêriencia, com grande capacidade de formulação de políticas, de capacidade gerencial”, afirmou Dilma. “Em qualquer governo, o presidente Lula daria enorme contribuição, imensa.”

Dilma também voltou a criticar o que chamou de “vazamento seletivo” da suposta delação premiada do senador petista Delcídio do Amaral, que acusa a presidente de interferir nas investigações da Lava Jato, e ressaltou, tentando demonstrar bom humor, não ver com problemas os protestos do início da semana contra ela, apenas com preocupação a possibilidade de conflitos entre grupos antagônicas.

“Faço grande apelo às pessoas para se manifestarem de forma pacifica. Os atos não devem ser manchados por nenhum ato de violência. É uma questão que peço como presidente da República: a gente tem de manter as vitórias da democracia brasileira, entre elas, uma das mais importantes, a do direito à livre manifestação. Não cabe perdermos esse patrimônio, da tolerância do nosso País”, resumiu a presidente.

News Reporter
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta