Em Cacoal, crianças são transportadas em veículos velhos, olha a frota!

O que era ruim, ficou ainda pior com aumento da idade da frota

Brasília – Quando Tiririca foi eleito com o slogan “pior que tá não fica”, ele fez uma brincadeira que terminou se mostrando verdade, ficou muito pior. Podemos usar o mesmo princípio quando se trata do transporte escolar em Cacoal, cidade distante cerca de 500 km da capital, Porto Velho, em Rondônia.

A gestão anterior havia estabelecido como idade máxima para a frota de transporte escolar, veículos com até 12 anos. Na época, foi a maior gritaria por parte das empresas que prestam esse serviço à prefeitura. Mudou a gestão, mudou o controle de qualidade. A atual prefeita Glaucione Rodrigues, cujo sobrinho é proprietário de uma empresa de transporte escolar, que detém contratos em cidades vizinhas, enviou à Câmara Municipal, e foi aprovada, a alteração na lei municipal, estabelecendo a idade máxima da frota para 17 anos, ou seja, um monte de “pau velho” que roda nas estradas e coloca em risco à vida de crianças diariamente.

Ano passado, o Detran fez uma vistoria, a foto abaixo foi tirada nesse dia. Observe o estado dos veículos:

 

Frota que atende as crianças em Cacoal

Agora responda rápido, você pagaria para que seu filho fosse para a escola em um ônibus desses aí acima? Pois é, a população paga, e caro. Os recursos são repassados via governo federal.

Sabe o que é mais interessante dessa história? O sobrinho da prefeita é filho do vereador Corazinho, que é casado com a irmã de Glaucione, que também é presidente do Serviço Autônomo de Águas e Esgotos de Cacoal (SAAE). O vereador foi um dos que votou à favor do aumento da idade da frota.

E assim segue a vida em Cacoal, o que era ruim está ficando muito pior.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta