Em manobras duvidosas, Câmara elege Maurício e Edwilson presidentes

Na primeira sessão do ano vereadores elegeram duas mesas diretoras; próximo presidente pode ser preso

Brasília – Muda o ano, mas as velhas práticas continuam. Na primeira sessão legislativa de 2017, ocorrida logo após a posse, os vereadores conduzidos como uma manada, elegeram a Mesa Diretora 2017/2018 e 2019/2020. O primeiro biênio será de responsabilidade do estreante Maurício Carvalho, cujo currículo se limita a ser irmão da deputada federal Mariana Carvalho. Já o segundo estará nas mão de Edwilson Negreiros, que já foi preso por compra de votos, afastado, voltou pelas mãos cegas da justiça, foi preso de novo pela Polícia Federal na Operação Vórtice, por crimes contra a municipalidade, como falsificação de documentos.

Em 2015, o próximo presidente da Câmara foi condenado exatamente por esses crimes, por  falsidade ideológica, foram aplicadas as penas de: dois anos e quatro meses de reclusão, mais multa no valor de R$ 23 mil.

Em 2012 Edwilson havia sido condenado a dois anos e onze meses de prisão em regime semi-aberto por tentativa de compra de votos. Edwilson Negreiros e seu pai José Edilson Negreiros prometeram aos acadêmicos do Curso de Engenharia Florestal da FARO, doar uma motocicleta e duas Tvs de LCD, para serem sorteadas em rifa e com isso auferir recursos para as festividades da formatura. Ainda como forma de obter votos, Edwilson prometeu ceder uma chácara para os alunos realizarem a confraternização, além do transporte, para os acadêmicos e seus familiares. As promessas, com prévia autorização judicial, foram gravadas por um agente de Polícia Federal.

Durante a gestão de Mauro Nazif foi mais situação que o próprio prefeito e nas eleições de 2016, tão logo saiu o resultado do primeiro turno que colocou Hildon Chaves no segundo, ele correu para “prestar apoio” ao candidato. Com a vitória de Chaves, passou a ser um dos principais articuladores dentro da Câmara e garantiu a própria eleição para daqui a dois anos. É a certeza que a justiça de fato é cega, lenta e garante que a política brasileira continue exatamente como sempre foi…

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta