Em pouco mais de 4 horas, PM encontra cerca de 60 celulares no Ênio Pinheiro

Parece uma loja de vendas de celulares, mas não, se trata do presídio Ênio Pinheiro em Porto Velho, onde policiais militares em uma revista que durou cerca de 4 horas, encontraram mais de 60 aparelhos de telefone celular usados livremente pelos presos. Também foi encontrada uma quantidade assustadora de armas artesanais, fabricadas com pedaços de ferro, madeira, escovas de dentes, enfim, qualquer coisa que possa ser usada como objeto perfurante.

Os policiais também encontraram bebidas, e muitas, em garrafas pet que são consumidas livremente pelos apenados.

A situação é tão séria que os agentes estão com medo de trabalhar, já que não existe nenhuma política de segurança. No Brasil, por mais bizarro que possa parecer, os presídios não podem ter bloqueadores de celular. As revistas de visitantes também são feitas no “olhômetro” e claro, sempre tem os maus profissionais que dão um jeito de “ganhar um troquinho” contrabandeando mercadorias ilícitas para os presídios.

De acordo com os servidores do presídio, é a primeira vez em 15 anos, que a unidade passa por revista minuciosa em todas as celas. Se o Ênio Pinheiro está assim, imagina os ursos Panda e Pandinha… Veja abaixo as imagens do que foi apreendido por lá:

Celulares e armas artesanais fazem a festa no Ênio Pinheiro
Celulares e armas artesanais fazem a festa no Ênio Pinheiro
enio2
Parece uma revenda de aparelhos, tem para todos os gostos
enio3
E as bebidas fazem a alegria da rapaziada
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário