Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Em vídeo, cidadão se revolta com postura de agentes do Detran no DF

Ele abordou duas agentes que estavam dentro do carro enquanto o semáforo estava intermitente. Uma delas disse que esperava comando para agir

0

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um homem indignado com a postura de duas agentes do Departamento de Trânsito (Detran). Ele não se conforma ao ver o semáforo intermitente em frente ao Shopping Pátio Brasil, no começo da Asa Sul (DF), e as servidoras dentro do carro estacionado no canteiro central da Avenida W3.

No vídeo com duração de 3 minutos e 34 segundos, o homem aborda as agentes que estão paradas dentro do carro e questiona a postura delas ao celular, enquanto o trânsito estava confuso.

Uma das servidoras responde, educadamente: “Esse celular é funcional, do Detran. A gente está aqui exatamente neste ponto porque eles vão trocar o equipamento. Estamos esperando eles avisarem para fazer a intervenção. A gente está aqui para fazer isso. Só estávamos esperando eles dizerem qual o sinal que vai fechar.”

O interlocutor rebate: “Olha a quantidade de gente atravessando no horário de saída do shopping. Está vendo o cego? A sociedade paga muito para o Detran e o serviço é muito ineficiente. Para mim e para o resto da sociedade, vocês estão fazendo nada aqui”, segue o cidadão não identificado.

O diretor-geral do Detran, Silvain Fonseca, disse ter pedido o relatório da equipe de trânsito que trabalhava em frente ao Pátio Brasil no dia em que ocorreu a filmagem. Segundo ele, ainda não é possível afirmar se houve omissão das agentes ou se elas estavam tomando outro tipo de providência.

“Conversei com a equipe. Disseram que tinham acabado de chegar ao local e só não saíram da viatura porque estavam fazendo contato com a equipe de manutenção de semáforos”, ressaltou.

Apesar da justificativa, Silvain defende um posicionamento diferente dos seus subordinados. “A determinação é que o Detran seja sempre proativo. Mas, de qualquer forma, elas têm direito à ampla defesa e vou esperar o relatório para chegar a alguma conclusão”, ponderou.

Apesar de ter confirmado a veracidade do vídeo, Silvain disse não saber precisar o dia em que o fato ocorreu.

Fonte: metropoles

Comentários
Carregando