Empresa é condenada por obrigar empregado a andar de roupa íntima

Obrigar funcionários a se deslocarem em trajes íntimos para trocar uniforme é uma ofensa à dignidade do trabalhador. Este foi o entendimento majoritário da 6ª turma do Tribunal Superior do Trabalho ao condenar a empresa do ramo alimentício BRF ao pagamento de indenização de R$ 5 mil para um trabalhador da cidade de Rio Verde (GO).

A “barreira sanitária”, como é conhecido o procedimento questionado na ação, tem o objetivo de impedir a contaminação dos alimentos. Em decisão anterior, o Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) rejeitou a condenação, por entender que as regras de higiene visam proteger a saúde dos consumidores dos produtos.

A relatora do recurso no TST, ministra Kátia Magalhães Arruda, afirmou que não se questiona a licitude da barreira sanitária para preservar a higiene e a segurança na produção de alimentos, mas sim a conduta abusiva da empresa ao expor a intimidade dos seus empregados. “O cumprimento das normas pertinentes deve ser compatibilizado com a preservação da dignidade dos trabalhadores”, disse a ministra.

A magistrada esclareceu que essa matéria foi objeto de nova reflexão na 6ª turma em outubro de 2014, em julgamento de Agravo de Instrumento em Recurso de Revista, quando a 6ª Turma passou a entender majoritariamente que a “obrigatoriedade de circular em roupas íntimas no ambiente de trabalho implica dano moral” (AIRR-3122-66.2012.5.18.0101).

A decisão foi por maioria, ficando vencido o ministro Aloysio Corrêa da Veiga, que não entendia que se tratava de dano moral.

Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta