fbpx
Energia elétrica sobe 6,0% e tem maior impacto individual no IPCA de julho

Houve ainda contribuição do aumento na parcela do PIS/Cofins na maioria das regiões pesquisadas, além do reajuste de 7,09% em Curitiba

A energia elétrica ficou 6,0% mais cara em julho, o que levou o item a responder pelo maior impacto sobre a inflação do mês, o equivalente a 0,20 ponto porcentual para a taxa de 0,24% registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no período, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento decorreu da entrada em vigor da bandeira tarifária amarela, a partir de 1º de julho, representando uma cobrança adicional de R$ 2,00 a cada 100 KW/h consumidos. Houve ainda contribuição do aumento na parcela do PIS/Cofins na maioria das regiões pesquisadas, além do reajuste de 7,09% em Curitiba, a partir de 24 de junho, e de 5,15% em uma das concessionárias de São Paulo, em vigor desde 4 de julho.

Como resultado, o grupo Habitação saiu de uma queda de 0,77% em junho para um avanço de 1,64% em julho. Também pesou no bolso das famílias o aumento de 1,21% na taxa de água e esgoto, sob influência de reajustes nas regiões metropolitanas de Fortaleza (11,27%) e de Porto Alegre (1,90%).

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta